Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

16
Jun17

As assinaturas acompanham-nos.

CD

9D57EF2D-524F-40EB-AB6A-35190C9A8161.jpg

 

Todos os livros por mim comprados, são alvo, logo no início do nosso relacionamento, de uma perversa violação. Saco sempre da caneta e, sem dó nem piedade, registo para todo sempre, a sua primeira proprietária. Assim, na sua primeira folha, escrevo o meu nome juntamente com o mês e o ano de compra. Aqui há uns tempos, herdei alguns livros dos meus pais, naquilo que foi uma espécie de Natal antecipado. Trouxe para férias, para saborear durante esta semana, o Triunfo dos Porcos, de George Orwell, que veio nessa remessa de livros adquiridos. Ontem, quando folheava o livro, cruzei-me com a assinatura do meu pai, no verso da sua última folha, e com a data de compra do livro, um 4/7/77 alongado e fino, como é sempre a sua forma de escrever. A assinatura, essa, nos últimos 40 anos, mudou. Tornou-se ainda mais alongada, ainda mais fina, com o nome ainda mais esbatido, ainda mais arrastado, mas onde ainda se detecta, o A de António, de forma perfeita e transparente. Mudamos. Mudamos sempre. As assinaturas acompanham-nos. Disso não tenho dúvidas.

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D