Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(in)sensatez

25
Set17

Páginas Partilhadas - Arriscar.

CD

Lembram-se de eu vos ter falado sobre o projeto da Filipa chamado Páginas Partilhadas?

 

O primeiro tema lançado foi a palavra Arriscar. O meu texto saiu hoje. 

 

"Sendo uma pessoa que aprecia segurança, a palavra “arriscar” existe, em mim, sempre bem protegida. Costumo almofada-la com certezas, enquadra-la com alguma solidez e revesti-la sempre com garantias."

 

Podem ler o texto completo aqui.

25
Set17

Todas as noites.

CD

O abrir de uma garrafa tem um barulho próprio, nós sabemos bem qual ele é: começa com a ponta afiada do abre-garrafas a rasgar o involucro que sustém a rolha e termina com a sensação de deleite num copo vazio.

 

O medo de abrir a garrafa, nela, aumentava, noite após noite, sempre mais um bocadinho.

 

Quando a casa se vestia de luto, quando os miúdos adormeciam embalados numa tranquilidade que não existia, ela escorregava da cama já quente, percorria descalça o corredor estreito e repetia, sempre acompanhada pela escuridão da cozinha lavada, a dor do vício a esvaziar outra garrafa.

 

Regressava depois, aconchegada e quente, à cama vazia e pedia sempre: um bocadinho mais de esperança para a noite do dia seguinte.

24
Set17

Dizem os outros.

CD

"Pessoas que passam a vida a dizer que lêem imenso, que liam Sartre e Tolstoi no jardim de infância, enquanto os outros cantavam o fungagá da bicharada, que têm um vício, uma compulsão, que só param quando começam a chorar da vista, que têm sonhos húmidos com livreiros e que snifam linhas de mofo para fugirem da aridez de um mundo sem literatura, façam-me um favor: não digam que último livro que leram foi “top”. Epá, por amor da santa: não."

 

Da Cristina Nobre Soares, retirado do seu blog em Linha Recta

22
Set17

Saudações ao Líder Brunete de Carvalho.

CD

Este dia tinha que chegar. Não esperava – sou sincera – que fosse tão cedo. Ora, como sabem, eu sou do Benfica e, como qualquer benfiquista, aceita mas não tolera adversários diretos, especialmente se eles existirem a um raio de dois quilómetros.

 

Bom, mas isto para dizer que Bruno de Carvalho (Brunete, para os amigos) sempre foi motivo de risada quando a minha malta se junta em tertúlias intelectuais, com o objectivo de debater problemáticas profundas como, por exemplo, se o Samaris é giro, se o Eliseu meteu silicone no rabo (se dão a entender que o da Rita Pereira tem, não entendo porque é que não questionam o rabiosque do Eliseu) ou porque raio é que o filho do Pizzi é ruivo.

 

E, depois de ver o vídeo do Bruno de Carvalho, a comunicar à família sportinguista que vai ser pai, com um discurso bastante sinistro cujo propósito ou foi enrijar um regime no qual se vê como líder absoluto ou, bom, foi só fazer figura de parvo, concluo que, enquanto esta pessoa ali estiver, vamos ter muitos e bons momentos de entretenimento e, a parte melhor, de forma gratuita.

 

Fico triste porque, apesar de achar que os sportinguistas merecem muito, não mereciam tanto.

 

brunete e cristiano.jpg

 

E não, a fotografia acima não é random, vejam o vídeo abaixo e percebem que faz todo o sentido. Ou não.

 

 

 

22
Set17

As senhoras da Avenida de Roma.

CD

É muito doce, mesmo muito doce, mas também muito honesto: elas caminham, velhinhas e a rua, de mãos dadas, como se uma já não conseguisse viver sem a outra. Não inventam, não se escondem: encaram a realidade crua de uma ainda existir porque, lá está, a outra também existe.

 

Pertencem à Avenida de Roma, não há nada a fazer: são iguais à sua calçada, rijas e pouco lisas, mas, também, iguais às paredes dos prédios envelhecidos mas ainda com muita piada.

 

É impossível dissociar estas ruas, por onde caminhamos, das senhoras envelhecidas que as embelezam: o charme envelhecido desta parte da cidade devido (também) às senhoras que nela habitam.

 

E de mãos dadas, sempre.

21
Set17

Fazer as pazes.

CD

Depois de escrever o texto sobre como encaro o processo de felicidade, lembrei-me que um bom ponto de partida para haver algum debate sobre o tema, seria contar como tento reajustar-me, diariamente, a mim própria.

 

Não percebendo nada de psicologia, sendo esta apenas a percepção de quem gosta de (se) analisar, digo-vos com sinceridade que não ignoro atitudes que me incomodam pois não tenho (e, se calhar, infelizmente) personalidade para isso.

 

Como consigo, então, seguir o meu caminho de felicidade?

 

Tento – assumindo a minha personalidade como sendo a única que tenho e, vamos dar-lhe alguns créditos, que muitas boas coisas me traz –, tento sempre, fazer as pazes comigo e com as situações que me incomodam.

 

Nem sempre é fácil pois é um processo que pode demorar dias, meses e já até chegou a demorar anos mas, olhar as questões de fora, com algum desprendimento, permite dar a clareza necessária para as avaliar sem barulho e, até, aceitá-las como situações inevitáveis.

 

Por vezes, não entendemos atitudes porque acreditamos numa realidade que não corresponde à verdade. Amarramo-nos à nossa ideia de que determinada relação é isto, quando na verdade, nunca passou daquilo.

 

Quando avaliamos corretamente, sempre à distância do acontecimento, e aceitamos o que não existe quando sempre achámos que sim, fazemos as pazes com os temas, fechamos gavetas e conseguimos, com menos peso, avançar.

21
Set17

E foi-se. O Narcos.

CD

Narcos.jpg

 

Das poucas coisas que me preocupam na vida, está, com algum destaque, o final da série Narcos (sim, sou uma pessoa sem preocupações de maior).

 

Vocês sabem, acho que sabem, que eu não sou a maior fã de séries: por um lado, o facto de terem episódios curtos seduz-me; mas, por outro, o facto de demorarem muito tempo exige uma concentração que não estou disposta a ter – especialmente, ao final do dia, altura que reservo para fazer… nada.

 

Mas, bom, ocasionalmente, surge uma série que me agarra. E, o Narcos, foi amor à primeira vista. Literalmente.

 

Basicamente, para quem ainda não sabe a história, conta a história do Pablo Escobar (as duas primeiras temporadas) e do Cartel de Cali (a terceira temporada).

 

No meio disto tudo, há uma pessoa, de seu nome Pedro Pascal (agente Peña), para fazer as delícias do público feminino.

 

Ora, ontem vi o último episódio da terceira temporada, a última disponível, o que significa que terei que ficar mais um ano (será?) à espera que saia novamente.

 

Neste momento, sinto-me completamente abandonada, digo-vos já.

 

Se não viram, vejam. Vale muito, muito, muito a pena. Até para mim, que não adoro séries. Ah! E ouçam a banda sonora. É maravilhosa.

 

Partilhei esta música aqui (que embeleza uma cena mítica) mas há outras, muitas outras, como a que serve de arranque:

 

 

20
Set17

Somos seres em constante mudança apesar de, por vezes, resistirmos a ela.

CD

Tenho imensa curiosidade em saber quais as mudanças que a vida me reserva. Não em saber na cara dos filhos que vou ter, como uma amiga minha, há uns dias, dizia, mas em conhecer a minha vida, como um todo.

 

Não sei se é reflexo de ser uma curiosa (cusca?) por natureza, mas tenho pena de não saber como era este mundo antes de eu nascer. Mais curiosidade ainda tenho eu em saber como vou estar aqui a cinco anos, por exemplo.

 

Muita coisa muda em cinco anos, muita coisa muda em dois anos, muita coisa muda em dois meses, até.

 

Penso muitas vezes, com a dor que gosto de sentir para dar valor ao que tenho, como seria eu se, nada do que tenho hoje, de facto, tivesse; como se, num segundo, tudo pudesse sumir, esvaziar o meu coração, escorrer pelos meus dedos abaixo, como um pedaço de areia seca.

 

Sei hoje que, o que queria há cinco anos, nada tem a ver com o que quero agora. Muitas vezes, para mim, difere também do que queria na semana passada.

 

Somos seres de mudança porque, internamente, nos vamos ajeitando às nossas prioridades (que vão mudando) mas também às andanças que o mundo nos vai dando para que tudo se altere.

 

Não esperem nunca, também por isso, que as opiniões se mantenham inalteradas: os dados mudam, as nossas percepções mudam e nós também.

 

Aceitar que somos seres em constante mudança apesar de, por vezes, resistirmos a ela, faz parte do processo de crescimento.

 

É aceitar para evoluir.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrevam a Newsletter (prometo que não se vão arrepender)

Carreguem aqui para subscrever:)

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D