Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

09
Mai17

A televisão e o Maluco Beleza.

CD

Maluco Beleza.jpg

 

A forma como olhamos, hoje, para televisão e para os seus conteúdos, nada tem a ver com a forma como os meus avós, por exemplo, olhavam.

 

Em casa da minha avó, a hora do telejornal era sagrada, bem como a hora da telenovela. Uns aos outros, os programas sucediam-se e a vida quase que girava em torno daquela caixinha mágica. Poucos canais existiam, na altura. Porém, eram mais do que suficientes para o mundo que se pretendia ser.

 

A televisão evoluiu. Nós também. E a nossa relação, por acréscimo, alterou-se.

 

Hoje em dia, com a possibilidade de “puxar para trás”, toda uma nova realidade se abriu. Já não há aquele sentimento: às 20h00 vai acontecer não-sei-o-quê e, religiosamente, parávamos todos à frente da TV para ver. Não! Hoje vemos quando queremos: aparece no feed do Facebook, abrimos o Youtube, revemos as vezes que forem precisas. Não é mau. É só diferente. Estamos mais independentes.

 

O Youtube, aquela rede social que não dá jeito nenhum porque não dá para ver nem na escola nem no trabalho porque tem som, começou a ganhar força, muita força mesmo, especialmente, nas camadas jovens.

 

E, com isto, surgiram novos projectos. Com uma atitude diferenciadora, em formatos inovadores, com gente interessante, a construírem conversas despretensiosas e agradáveis. Tudo à distância de um ecrã e da nossa vontade de carregar no play: agora apetece-me, agora não me apetece. O Maluco Beleza, do Rui Unas, é um caso desses. Estes novos formatos surgem agora longe da televisão: são projectos que já não precisam de serem aceites para existirem! Só precisam da vontade de quem os faz.

 

E eu ponho-me a pensar: se calhar, financiar um projecto destes, que ouço, que vejo e que gosto, que me faz parar durante algumas horas da minha vida para conhecer o lado B de pessoas que considero interessantes, faz mais sentido do que pagar a televisão que não vejo.

 

É um canal aberto? É! Qualquer pessoa o pode ver? Sim! Sem qualquer custo? Sim! Então, porquê pagar?, perguntam vocês. Porque, se pagamos os meios de comunicação tradicionais, com o mesmo propósito, porque não o fazer também num canal que gostamos e que também tem contas para pagar para poder existir?

5 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D