Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

(in)sensatez

25
Nov15

Curtas - Agora podia tornar todas as feiras da semana em belos fins.

CD

Ele vivia cansado pela espera. Todos os dias aguardava mais um pouco, enfeitiçado pela hora que demorava a chegar. Dia após dia velava exausto pela altura em que se iria reformar. Há já muito que tinha reduzido o seu ritmo de trabalho, numa tentativa de, pensava ele, não sentir tanto a passagem de uma altura para a outra. De fora veio, sob a forma de um convite camuflado de boa vontade e preocupação, o empurrão prévio, com um "o Zé pode passar a ficar mais por casa, enquanto não se reforma de vez".

E o Zé foi ficando. Passou a visitar apenas esporadicamente o escritório, sede do seu ganha-pão nos últimos 40 anos, na altura em que os trabalhos eram pontos de honra e para a vida. Até que um dia a carta acabou mesmo por chegar, a reforma tornou-se realidade e ele teria agora, finalmente, todo o tempo do mundo para a sua vida.

Quantas horas esteve encerrado naquelas 4 paredes? Quantas horas permaneceu a laborar de forma sistemática e contida os afazeres de todos os dias, rezando para que a sua vida pessoal se mantivesse calma de forma a não o desorientar no meio das suas tarefas laborais? Tantas horas dedicadas à linha de montagem da empresa, minutos atrás de minutos, a executar de forma perfeita o seu papel. Agora? Agora sim! Agora podia viver o tempo que não viveu. Agora podia libertar o sufoco contido ao longo de 40 anos de trabalho. Agora podia levantar-se e deitar-se quando quisesse, podia tornar todas as feiras da semana em belos fins. Podia aspirar cada segundo de descanso como a melhor recompensa da vida profissional exemplar que teve. Podia. E vai. E começou. Redesenhou, com ansiedade, os seus afazeres, reordenou o seu corpo e a sua mente. Elaborou planos detalhados sobre o que ia fazer a todos os minutos da sua reforma, produzindo um horário repleto de sossego intercalado com planos de lazer.

Porém, depressa concluiu que todos os minutos livres desta nova fase, rapidamente se converteram em intermináveis horas de pasmaceira e abandono e que a sede de descanso foi saciada ao fim da primeira semana e a solidão, agora expressa pela distância do trabalho, o começou a inundar. 

A linha que separa uma reforma reparadora da solidão existente é muito subtil. Essa linha, tão ténue e difusa, concluiu o Zé, afunda-nos em melancolia e molda-nos no mais profundo e triste "nós".

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrevam a Newsletter (prometo que não se vão arrepender)

Carreguem aqui para subscrever:)

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D