Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

30
Ago17

Drave, a Aldeia Camuflada.

CD

IMG_7135.JPG

 

Drave, também conhecida por Aldeia Mágica, foi por nós denominada de Aldeia Camuflada.

 

Encontrava-se em falta aqui no blog – mas não esquecida – a nossa odisseia nesta aldeia, cujas casas feitas de pedra se misturam com as rochas que as circundam.

 

Já tínhamos feito uma primeira tentativa de conhecer esta aldeia enfiada no meio dos montes mas, é importante assumir, não correu bem: era outono quase a cair para o inverno, o carro que nos transportava não era o mais adequado e fomos obrigados a abortar a missão.

 

Aproveitamos, então, estarmos perto de Drave durante estas férias e lá iniciamos nós a segunda tentativa de a conhecer.

 

Se pudesse dar só um conselho a quem se vai aventurar é: levem um jipe (ou um carro pelo qual não tenham um grande amor) – mas, atenção, uma (grande) parte do percurso é feita a pé e, por isso, ver o segundo conselho: levem calçado confortável.

 

IMG_7133.JPG

 

Desta vez, fomos bem apetrechados: arranjamos um carro que ajudou na descida, levamos uma lancheira com comida e (bastante) água, levamos uns sapatos confortáveis e não escorregadios e lá fomos nós.

 

É altamente conveniente levar lancheira e água pois não há qualquer loja ou restaurante. Há apenas uma torneira com água potável. Não há cobertura de telemóvel (apenas – e com pouca rede - MEO).

 

Por iniciativa da família Martins, a família emblemática deste local, na década de 90 chegou o telefone a esta aldeia.

 

IMG_7134.JPG

 

Drave está integrada no Geoparque de Arouca e foi habitada até ao início do século. Esta aldeia está “ocupada” por escuteiros que, ao longo dos tempos, têm vindo a cuidar dela: tratam das casas, reparam algo que esteja deteriorado, etc.

 

Tem inúmeras piscinas naturais onde é possível descansar e tomar banho. 

 

IMG_7136.JPG

 

A visita a aldeia é feita apenas a pé mas vale cada milímetro andado. É, de facto, uma experiência muito diferente.

 

IMG_6536.JPG

 

Se pudesse dar um terceiro conselho seria : Aproveitem! Vale bem a pena!

 

IMG_6539.JPG

 

 

6 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D