Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

29
Mar16

Ela arrasta-se.

CD

Ela arrasta-se: escada acima, escada abaixo.

Na verdade, com algum detalhe, conclui-se: ela arrasta-se, sim, mas sempre mais ao tempo do que a ela.

Vejo-a sempre cabisbaixa e aterrada, enfiada nela própria, engolida pelo cachecol que enrola ao pescoço.

Já tentei passar indiferente ao sofrimento. Dizer bom dia e seguir viagem. Já tentei ignorar a vida alheia mas, todos os dias, vê-la na amargura do mundo que transporta aos ombros, começou a semear em mim um travo similar.

Sempre que achava que a ia ver, baixava nas minhas costas um impedimento de alegria, sentia-me encolher, ao mesmo compasso com que ela desaparecia.

Um dia, a coragem ganhou ao pudor alheio e, carregada da carteira, casaco e portátil, dirigi-lhe um “bom dia – está tudo bem?” enquanto aligeirava a pergunta preocupada com boa disposição forçada. Toquei-lhe, achei eu, levemente no ombro, mas o reflexo que apanhei do outro lado foi de surpresa e, sim, algum pânico.

Respondeu-me de forma assustada e ainda mais encolhida, que “estava tudo bem, menina – as escadas é que custam a desencardir”. Mas, assim que terminou a frase, senti-a subir, os ombros tornaram-se leves e os nossos sorrisos ficaram na mesma linha. Vi-lhe, então, tatuado no rosto, aquele que eu via pela primeira vez de frente, um sorriso aberto que invadia gradualmente, a cada nova distensão facial, a sua cara sulcada de velhice.

Após esse dia, quando passo por ela, dirijo-lhe o mesmo “bom dia”, seguido do novo “tudo bem?” e, desde esse momento, comecei a receber vivacidade travada no olhar.

Afinal, concluí eu, do que precisamos muitas vezes é tão-somente de um “tudo bem?”, para deixarmos enaltecer em nós alguma alegria e abandonarmos, ainda que por breves instantes, o lado abatido dos nossos afazeres diários, aqueles que executamos, dia após dia.

Sem excepções.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrevam a Newsletter (prometo que não se vão arrepender)

Carreguem aqui para subscrever:)

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D