Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

(in)sensatez

26
Mar17

Eu acredito em coisas dispersas.

CD

Eu acredito em coisas dispersas. Por exemplo, não acredito em bruxas mas acredito que o Universo, por vezes, conspira. Não acredito no azar mas acredito – oh, se acredito – na sorte. Acredito que os dons existem mas tenho muita dificuldade em acreditar que são eles que nos levam onde queremos ir.

Não há, portanto, uma regra que me una às minhas crenças. Há todo um movimento aleatório de ocorrências para, no fim, me agarrar ao que o meu subconsciente escolhe acreditar – será assim?

O meu lado romântico – sim, eu tenho um – acredita que ele me espanta os pesadelos. Sempre dormi muito e sempre sonhei bastante. Lembro-me, com frequência, dos meus sonhos e, raras vezes, acordo com pesadelos – mas também os tenho. Eles ocorrem quando estou sozinha, quando não me sinto aconchegada.

Eu acredito em coisas dispersas. Não acredito em bruxas mas acredito que o Universo, por vezes, conspira. Não acredito em ciências ocultas mas sou mais crente do que imagino. Não acredito (também) no azar mas acredito (muito) na sorte.

No meio disto quão bonito é acreditar que a pessoa com quem se dorme tem poderes para afastar os nossos pesadelos?

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrevam a Newsletter (prometo que não se vão arrepender)

Carreguem aqui para subscrever:)

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D