Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

24
Abr17

Fenómenos.

CD

Chegou finalmente o momento de falar sobre determinados fenómenos que se passam na minha vida.

 

São alguns, não muitos, que me perturbam porque se sucedem sempre da mesma forma. Eu reparo neles e, até para mim, são estranhos. E tristes. E estranhos. E tristes.

 

Ora, aqui estão eles:

 

- Nunca consigo comer apenas um pastel de nata. Normalmente, são dois, há dias em que escalam para três, mas também já aconteceu serem quatro;

 

- Só compro roupa interior em números ímpares: uma cueca, três cuecas, cinco cuecas. Comprar duas cuecas nunca aconteceu. Nem quatro. Nem seis. Muito menos oito;

 

- Nunca toco com as mãos em puxadores de casas de banho públicas. São acrobacias e dúvidas complexas, giras para quem está de fora, cada vez que quero ir a uma casa de banho pública: enrolar o casaco nos dedos e rodar a maçaneta quando o puxador o permite ou puxar muito rapidamente a porta com o dedo mindinho e prendê-la com o pé quando ela se abre e depois, com os cotovelos, afastá-la para conseguir, finalmente, sair? É complexo, eu sei.

 

Há mais, mas vou guardá-los para segundas núpcias.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D