Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

(in)sensatez

10
Ago17

Lufada de ar fresco.

CD

Muitas das conversas que tenho, ao longo do dia, são um pouco complexas.

 

A verdade é que passo grande parte dos meus dias a decidir. Tomar decisões pode parecer uma ideia genericamente gira mas, na prática, desgasta bastante. Tenho a certeza que a necessidade tão grande que tenho em dormir advém do cansaço que adquiro ao longo do dia.

 

De vez enquando, acontece parar e dar por mim a ter conversas banais, onde não tenho que estar com muita atenção, onde ninguém exige uma decisão ou, tão-pouco, uma opinião. São conversas onde não ouço um “o que é que achas?”, muito menos um “qual julgas ser a melhor opção?”.

 

Há relativamente pouco tempo, consegui baixar as defesas e assistir a uma conversa que, de tão leve, me fez sentir francamente feliz.

 

Os diálogos eram simples e desenrolaram-se entre as pessoas que estavam comigo: eu era, neste caso, apenas espectadora e era-o de forma bonita, interessada mas absolutamente relaxada, sem qualquer pressão para intervir.

 

A conversa criou-se em torno das parecenças entre as mães, que falavam à minha frente, e os filhos destas, que brincavam ao nosso lado: o que é que tinham do pai, o que é que tinham da mãe e o que é que não tinham dos dois.

E riam-se e concordavam e olhavam-se e olhavam para os filhos e voltavam a rir.

 

E eu, bom, eu dei por mim a agradecer por ninguém me perguntar se eu achava se os olhos eram parecidos com os do pai (não eram) ou se o feitio era o da mãe (também não era) e absorvi esta conversa, leve, fresca e fofa, sem qualquer consequência grave caso alguma opinião não fosse a correta, e vi-a, à conversa, como uma lufada de ar fresco, como aquela brisa fresca e fina matinal, e deixei-me ficar, a ver e a analisar, mas sem nunca dizer as parecenças e diferenças entre os que à minha frente estavam.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrevam a Newsletter (prometo que não se vão arrepender)

Carreguem aqui para subscrever:)

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D