Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

(in)sensatez

18
Out17

Marcelo: o presidente dos afectos mas também das palavras duras.

CD

marcelo.jpg

 

Ontem à noite, assustada e revoltada pelos incidentes dos últimos dias, tive verdadeiro orgulho em nós.

Um orgulho que vai para além do patriotismo que vive agarrado ao fado, à saudade ou à luz de Lisboa, que ultrapassa Eça, Pessoa ou Camões ou que se cimenta para além das politiquices costumeiras e que coloca, de forma direta, os pontos nos “is”.

 

Ontem tive orgulho no país onde tive a sorte de nascer e no Presidente da República que lhe dá a cara, que dirigiu, inicialmente, um discurso humano e afectuoso, direcionado a todos os que perderam tudo (família, bens, poupanças de uma vida) mas também a todos os que, não tendo perdido algo quando comparado com o tudo, perderam as noites bem dormidas porque, aparentemente, nada está a salvo num país onde as sociedades “têm que ser proactivas”.

 

O nosso presidente mostrou-se, no discurso à Nação, aquilo que queremos que um presidente seja: sensível, humano, com dever de justiça, alguém que sente o mesmo que nós porque, contas feitas, é igual a nós. E foi isso que Marcelo conseguiu passar na primeira fase do discurso: ele é alguém que está connosco. E isso, enquanto portuguesa, tranquiliza-me.

 

Como se não bastasse, ainda fez algo que não estamos habituados a ver: pediu desculpa porque o Estado falhou uma vez que deixou de ser visto como garante de segurança e de estabilidade. Pedir desculpa, em muitos momentos, pode parecer um mero processo, um despacho para resolver uma qualquer crise mas aqui, nos olhos manchados de revolta, revestiu contornos de preocupação e de solidariedade. Era um ser humano que falava connosco.

 

A meio do discurso, o timbre e o olhar mudaram. Fez aquilo que já devia ter sido feito: empurrou a ministra para a porta de saída (que acabou por acontecer hoje de manhã) e fez um ultimato ao Governo.

 

No final, nem paninhos quentes, nem boa noite. Foi-se apenas embora deixando, a frieza da revolta, a pairar no ar.

 

Alguém, como nós, abandonava a sala.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrevam a Newsletter (prometo que não se vão arrepender)

Carreguem aqui para subscrever:)

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D