Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

(in)sensatez

20
Nov15

Não gosto de café porque sabe a café.

CD

Há uns largos anos eu costumava dizer que não gostava de café porque sabia a café.

(Agradeço, todos os dias, aos meus pais, pela paciência que tiveram para comigo porque educar uma criança com tanta tendência para desconversar não deve ser fácil.)

Na altura, a verdade é que, se o café não soubesse a café, eu até poderia gostar de café. Se tivesse, claro, um sabor que, de facto, gostasse. Chocolate, talvez. Nunca fui muito esquisita quando se trata de sabores: só o do café é que não me conquistava.

Lembro-me de ficar intrigada porque é que nunca ninguém tinha decidido criar um café com um leve sabor a outra coisa qualquer. Era menina para me deixar de estereótipos parvos com sabor a cafeina e bebê-lo. 

Hoje em dia, acho piada à frase do não gosto de café porque sabe a café e penso nela como a minha real postura adolescente, completamente transversal a muitas outras áreas da minha vida da altura.

Ora, o destino, como já vem sendo seu hábito, lá se encarregou de me provar que a vida dá muitas voltas. E, hoje em dia, encontro-me diariamente absorvida pelo sabor e pela vida existente numa única e pequena chávena de café. Mas, essencialmente, pelo seu cheiro acre e espumoso que me envolve aqui dentro e aquece. E revitaliza, se quiserem.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrevam a Newsletter (prometo que não se vão arrepender)

Carreguem aqui para subscrever:)

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D