Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

(in)sensatez

14
Dez17

Será que já não estou para fretes?

CD

IMG_5717.JPG

 

 

Com a idade – e com a consequente escassez de tempo para as actividades que, de facto, gosto – fui-me tornando uma pessoa relativamente seletiva.

 

Mas, atenção, esta seleção não é feita de forma consciente nem reveste contornos de snobeira crónica (juro). Mas, o que é certo, é que existe! Basicamente, consiste numa miscelânea de comportamentos que tenho vido a adoptar.

 

Como, muitas das vezes, é o meu corpo (ou o subconsciente?) a guiar para onde quero ir porque, como falei, não é um processo em que eu tenha propriamente voto na matéria, julgo que tudo advém da motivação que aqui dentro sinto e, talvez por ser uma situação abstrata, só há algum tempo é que comecei a detetar esta minha postura.

 

O primeiro - e mais notório – sintoma foi selecionar hobbies. Depois, foi selecionar eventos. Por último, acho que comecei a selecionar pessoas.

 

Quão importante é este evento? Quero mesmo ali estar? Será que com este tempo – tempo escasso, lá está – não podia estar, sei lá, a dormir ou a escrever ou a passear num sítio interessante? Esta pessoa acrescenta realmente valor à minha vida? Ou é só uma pessoa tóxica que por aqui anda? Lembro-me muitas vezes de uma frase que li há uns tempos que era qualquer coisa como "escolhe bem as pessoas com quem te dás; acabamos sempre por nos deixar influenciar por elas.".

 

Pergunto-me, muitas vezes, quanto pesa determinada situação quando comparada com outra. Quero mesmo estar aqui? Quero mesmo fazer isto? Quero mesmo falar com esta pessoa? Tê-la na minha vida? Ver-me evoluir na vida? Será que ela realmente fica satisfeita pelo meu sucesso? Ou o meu sucesso lembra-lhe o que não conseguiu criar na vida? Sim, malta, existem pessoas que não adoram ver o sucesso alheio porque isso lembra-lhes a vida fracassada que têm. Sim, é mesmo verdade, em vez de olharem para o sucesso como algo inspirador, estão lá só para nos ver escorregar.

 

Se calhar, já não estou para fretes – sempre quis usar esta expressão. Ou, se calhar, estou a crescer e a concluir que isto tudo passa demasiado rápido, tão rápido que não nos dá espaço para fretes.

 

Não há, se calhar, mesmo tempo para eles.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrevam a Newsletter (prometo que não se vão arrepender)

Carreguem aqui para subscrever:)

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D