Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

08
Fev18

Sobre a memória mal direcionada: tenho algo a dizer.

CD

São números atrás de números mas acho que já os decorei a todos: o meu número contribuinte, o do meu irmão, os dos meus pais, o meu número de telemóvel, o número de telemóvel do Ricardo, os códigos postais, o telefone da empresa, o número de telefone de casa, os códigos dos alarmes e os códigos pins.

 

Porém, a concentração que me falta, no geral, origina que, em particular, os baralhe quando mos perguntam.

 

Pedem-me o meu número contribuinte e eu respondo o meu número de telefone, pedem-me o telefone da empresa e respondo o número contribuinte do meu irmão.

 

Isto quando não é pior: quando me pedem o meu número contribuinte e digo metade do meu número contribuinte e metade do contribuinte do meu pai.

 

Sim, eu sei números contribuintes que não me pertencem e, sim, não me orgulho disso. Tenho uma enorme capacidade em decorar números mas depois esqueço-me do nome das pessoas. E das suas caras. Também decoro números que depois não sei a que dizem respeito, o que é triste porque, depois, ficam a baloiçar na minha memória como se fossem importantes – mas não são, caso contrário, lembrava-me, claro.

 

Também decoro matrículas mas isso já é mais normal, não é? E somo também, quando estou no trânsito, os números que nelas constam. Não tenho provas mas acho que isto tem ajudado no meu cálculo mental.

 

São demasiados números agrupados, aos pontapés aqui dentro, e a minha memória que insiste em estar direcionada para o que não interessa.

 

Aos 33 começamos a questionar tudo e é, esta idade, só mais um número para decorar: a idade que insisto em estranhar.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrevam a Newsletter (prometo que não se vão arrepender)

Carreguem aqui para subscrever:)

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D