Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

(in)sensatez

09
Jun16

Sul América.

CD

13418805_1043539535714241_7798071726230864971_n.jp

A minha avó ia ao Sul América. Conheço o Sul América desde o tempo em que a minha avó lá ia. Por isso, conheço-o há muito tempo. Mesmo. Desta forma, claro que fico triste quando vejo os "Sul Américas" desta vida serem substituídos por Burgers Kings, Pizza Huts e outros que tais. Porque vejo a modernidade substituir as minhas origens e não gosto da sensação. Vejo os cortes sistemáticos, naquilo que me liga à minha história, acontecerem.
Se acho que deviam manter abertos os loc...ais de antigamente, mesmo quando o serviço não é o melhor, mesmo quando a pastelaria já não é estupenda, apenas para não me sentir emocionalmente "substituída" e completamente abandonada? Sim, acho. Mas só porque sou importante. Só por mim. Porque há locais que não se modernizaram. Há locais que não se adaptaram. Há locais que já não existem para a nova fornada de habitantes destes bairros. Mas são locais cuja existência serve para nos unirmos às nossas saudades.
E isso já é muito. E isso já é suficiente.

 

Sigam-me:

Facebook: https://www.facebook.com/catarinaduartewords/

Instagram: www.instagram.com/catarinaduarte.words

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D