Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(in)sensatez

(in)sensatez

11
Dez16

Benfica.

CD

IMG_0792.JPG

Não vou dizer que só quem é do Benfica sabe como sentir verdadeiramente. Porque, para além de demonstrar muita vaidade, demonstra também pouco realismo e nenhuma verdade. Porém, de uma coisa tenho a certeza: todos os que são do Benfica podem não ser os únicos a sentir verdadeiramente - mas são os únicos a sentir diferente. E, sentir à Benfica, não se regista, não se demonstra e (muito menos) não se explica. Sentir à Benfica é real, é palpável, corpóreo mas, acima de tudo, é diferente. E isso, bom, isso, não sendo tudo, é mesmo muita coisa!

17
Mai16

O QUE EU APRENDI COM O BENFICA? O QUE EU APRENDI COM O SPORTING?

CD
O QUE EU APRENDI COM O BENFICA? O QUE EU APRENDI COM O SPORTING?

O trigésimo quinto campeonato ontem ganho pelo Benfica não foi ganho em Braga, em Coimbra ou no Bessa. O trigésimo quinto campeonato ontem ganho pelo Benfica TAMBÉM foi ganho em Braga, em Coimbra e no Bessa.

Mas foi, essencialmente, ganho no dia em que a soberba leonina ganhou contornos indomáveis.
No dia em que os egos não ficaram resguardados dentro de casa e transbordaram conferências de imprensa fora, alimentando guerras e especulações.
Foi ganho no dia em que um adepto incendiário no lugar de um presidente alimentou ódios contra um rival direto.
No dia em que um treinador, cujas competências técnicas que aqui não estão em causa, verbalizou chorrilhos revestidos de arrogância desrespeitando colegas de profissão.
O trigésimo quinto campeonato ganho ontem pelo Benfica aconteceu no dia em que este campeonato ganhou contornos afectivos. AFECTOS. Sim, no dia em que todos percebemos que juntos somos mais fortes e fizemos jus ao lema do nosso clube, transformando adeptos partidos em opinião em "E pluribus unum".

O trigésimo quinto campeonato ontem ganho pelo Benfica não foi ganho em Braga, em Coimbra ou no Bessa. O trigésimo quinto campeonato ontem ganho pelo Benfica TAMBÉM foi ganho em Braga, em Coimbra e no Bessa.

Mas foi, essencialmente, ganho no dia em que tentaram abalar uma estrutura inquebrável que só quem é do Benfica sente. No dia em que tentaram partir um clube por dentro que, temos pena (temos mesmo muita pena!), é indestrutível.

Foi um campeonato construído à custa de algum sangue, muito suor e imensas lágrimas, iniciado exactamente no dia em que as insinuações começaram e os ódios destilaram.

Tudo fizeram para transformar este campeonato no tão aclamado campeonato da vergonha mas, para quem ainda tinha dúvidas, existe - MESMO - justiça divina.

E ela abarcou a forma de apoio incondicional em formato de amor a um clube que só quem é do Benfica sente!

O que eu aprendi com o Benfica?
Que a humildade e a união constroem tudo e nunca um lema de um clube fez tanto sentido!

O que eu aprendi com o Sporting? Que dividir para reinar só destrói por dentro. E que quanto mais repartem, mais sozinhos ficam. E sozinho ninguém quer jogar.

Parafraseando o meu irmão:

A todos os lagartos, vocês têm o que merecem.
A todos os sportinguistas, jogaram bem. Parabéns!

E, para o ano, lá estaremos #rumoao36.
 

13226948_1030054230396105_4285234601141338319_n.jp

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D