Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(in)sensatez

29
Mai17

Workshop - Escrita Criativa - Livraria Ler Devagar

CD

Comecei a dar Workshops de Escrita Criativa, devo confessar, um bocado a medo.

Estava segura dos meus conhecimentos, isso era certo, sabia que tinha a ver comigo o formato destes Workshops, mas não tinha propriamente grandes expectativas relativamente ao quanto realizada dali podia sair.

Depois foram aparecendo grupos como este e, bom, posso dizer que bendita a hora em que tomei esta decisão.

Vou abrir uma data para breve – por isso, a todos os interessados: enviem e-mail para escritacriativainfo@gmail.com.

 

Workshop 27052017.jpg

 Obrigada.

❤︎

04
Dez16

Oficialmente, uma senhora.

CD

Entrei (atrasada para a consulta) naquele prédio recuperado da Avenida da Liberdade. 

A fachada era antiga e estava pintada, não de fresco, mas de novo. 

Uma senhora, sentada num banco, à entrada, sublinhava calmamente – com aquela calma que as pessoas de idade têm e que eu invejo - frases de um livro que lia. Escrevinhava também nas suas margens.

Disse, quando me viu entrar,  com verdadeira educação:

“Boa tarde, minha senhora.”

E eu, bom, eu cresci logo mais dez centímetros, não por me sentir superior, mas por vaidade pura, afinal era (agora) uma senhora. 

Devolvi, então, a tarde que se tornou, entretanto, boa e convenci-me que agora, como senhora, é sempre a melhorar.

 

Estou aqui:

Instagram

Facebook

06
Nov16

Pela metade.

CD

Habituamo-nos ao amor pela metade, às amizades em part-time, às relações mais ou menos.

Habituamo-nos às férias que lá se passaram, aos jantares aceitáveis, aos vinhos na média.

Habituamo-nos a viver na linha mediana da vida, no equador dos nossos sentidos, no “tanto faz”.

Habituamo-nos. Ponto final.

Habituamo-nos da mesma forma que nos habituamos a um portátil que fica lento, a um telemóvel que encrava, a uma televisão que não liga.

Quando damos por nós achamos normal o portátil demorar dez minutos a funcionar, ter que reiniciar o telemóvel sempre que queremos abrir uma aplicação ou, simplesmente, deixar de ver televisão (também, se pensarmos bem, nunca gostamos muito dela).

Acostumamo-nos a viver pela metade, a desenrascar sentimentos e sentidos, a incluir a meia medida como se fosse inteira. Habituamo-nos a reduzir a receita, a cortar nos açúcares e, especialmente, no sal.

Viver pela metade, realisticamente digo: é quase certo - habituamo-nos sempre.

 

Estou aqui:

Instagram

Facebook

09
Jun16

Sul América.

CD

13418805_1043539535714241_7798071726230864971_n.jp

A minha avó ia ao Sul América. Conheço o Sul América desde o tempo em que a minha avó lá ia. Por isso, conheço-o há muito tempo. Mesmo. Desta forma, claro que fico triste quando vejo os "Sul Américas" desta vida serem substituídos por Burgers Kings, Pizza Huts e outros que tais. Porque vejo a modernidade substituir as minhas origens e não gosto da sensação. Vejo os cortes sistemáticos, naquilo que me liga à minha história, acontecerem.
Se acho que deviam manter abertos os loc...ais de antigamente, mesmo quando o serviço não é o melhor, mesmo quando a pastelaria já não é estupenda, apenas para não me sentir emocionalmente "substituída" e completamente abandonada? Sim, acho. Mas só porque sou importante. Só por mim. Porque há locais que não se modernizaram. Há locais que não se adaptaram. Há locais que já não existem para a nova fornada de habitantes destes bairros. Mas são locais cuja existência serve para nos unirmos às nossas saudades.
E isso já é muito. E isso já é suficiente.

 

Sigam-me:

Facebook: https://www.facebook.com/catarinaduartewords/

Instagram: www.instagram.com/catarinaduarte.words

06
Mar16

Dançar. Bailar. Ballet.

CD

Dançar.jpg

No primeiro acto, a música começou acelerada, em batidas sistemáticas e ordenadas mas, acima de tudo, violentas. Faziam-se acompanhar pelo gargalhar do meu coração assustado. Depois suavizou, a música fluiu leve e ligeira e acompanhou a passada esguia das pontas da bailarina.

Não existiam tutus cor-de-rosa, nem coques redondos no alto da cabeça. A tez não era pálida e os figurinos não eram colados ao corpo. Era tudo ao lado quando comparado com aquilo a que chamamos convencional.

Ali fiquei, durante menos de uma hora, afunilada naquela sala de espectáculos de aspecto moderno, cujas cadeiras eram mais desconfortáveis do que pareciam, a ondular o meu pensamento, embriagada pelo suave embalar da coreografia graciosa.

Talvez pela leveza que nunca terei, sempre tive um certo fascínio pelo ballet. Pedi para sair do ballet ainda nova – cujo jeito, vamos assumir, era perto de zero - mas, nova também, a paixão por ele cresceu.

Não existiam tutus cor-de-rosa, nem coques redondos no alto da cabeça. A tez não era pálida e os figurinos não eram colados ao corpo. A fluidez do movimento não precisa do apetrecho do hábito. Precisa de movimentos airosos, marcados por solidez técnica, mesmo quando a música aleija e maltrata. Não precisa de tutus, nem de coques, nem de tez pálida, nem de figurinos adelgaçantes. Precisa só e apenas de presença e de amor pela dança.

 

16
Fev16

Fascínio.

CD

Conheço pessoas que têm fascínio pela noite. Compreendo mas não o consigo sentir.

Consigo até, ocasionalmente, apreciar a calma que a escuridão nos dá. Consigo até, ocasionalmente, sentir a descompressão após um dia na labuta, quando a claridade dá lugar à obscuridade. Consigo até, ocasionalmente, reconhecer que a noite tem fascínio se isso implicar copos. Mas, sã de pensamentos (e ausente de noitadas), a noite deprime-me.

Hoje a noite entra cálida e esperada, a guitarra é arranhada ao compasso de "verdes anos" e eu permito-me a paz e o sossego que esta casa transpira nas noites em que joga o Benfica.

Boa noite.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D