Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

03
Ago17

Um dia como os outros.

CD

Quando ocorrem desgraças como aquela que aconteceu ontem na Praia de S. João da Caparica, onde uma avioneta caiu na praia provocando a morte a dois banhistas que por ali estavam, quando estas tragédias ocorrem tão, mas tão perto de nós, afinal, podíamos ser nós (ou alguém dos nossos) a estar naquela praia, naquele dia, àquela hora, penso sempre no quanto a vida nos dá mas também no quanto nos tira, sem qualquer remorso, sem qualquer culpa e sem nunca - nunca - pedir licença.

 

Acabamos todos por ser umas marionetas, entregues à vontade do destino. Aquelas pessoas levantaram-se de manhã, vestiram os seus fatos-de-banho, escolheram a roupa de praia, preparam as toalhas, as bolas, as lancheiras, as garrafas com água, meteram-se nos seus carros, iam, provavelmente, aproveitar um descansado dia de calor quando, do nada, uma avioneta aterra no areal e lhes ceifa a vida.

 

Andamos a vida toda a programar o nosso futuro, a selecionar as escolas por onde andamos, os cursos que queremos tirar, as faculdades para onde queremos ir, os empregos a que devemos concorrer, controlamos tudo ao detalhe, a casa, o carro, os restaurantes e, na imprevisibilidade da vida, dos dias que se sucedem, somos arrastados maré fora, num dia em que acordamos igual a todos os outros e fazemos a vida como sempre.

7 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinaduarte.words

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D