Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

insensatez

Vacinas e a negligência... do nosso país.

immunization.jpg

 

 

Estava um bocado distante da polémica das vacinas porque não tenho filhos, porque desconhecia a gravidade de alguns factos mas, especialmente, porque tanto eu como toda a minha família somos vacinados e sempre me recordo de entregar boletins de vacinas nos estabelecimentos de ensino por onde andei. Sempre achei isto um não-tema: afinal, achava eu, se as vacinas são obrigatórias, qual a questão?

 

Ora, com a polémica a aquecer, com a malta a ficar histérica com o surto de sarampo num país (o nosso) onde, em 2015, a Organização Mundial de Saúde referiu esta doença estar eliminada, tornou-se impossível não me debruçar sobre este tema.

 

Fiquei, então, a conhecer alguns factos assustadores: a vacina do sarampo – tal como todas as outras – não é obrigatória. Repito: não é obrigatória!

 

O pior, para mim, é que vivemos num pais em que estas questões são colocadas nas mãos do bom senso das pessoas: nas mãos dos pais bem informados mas também dos pais fanáticos e fundamentalistas.

 

Apercebi-me que as vacinas são conselhos, são recomendações que nos fazem.

 

Isto é chocante especialmente porque o grau de sucesso das vacinas aumenta quanto maior for o número de pessoas vacinadas numa comunidade.

 

Façam regras, fiscalizem e penalizem quem não as cumpre.

 

Estamos a falar de saúde pública. Não é uma brincadeira.

 

(recomendo a leitura desde texto que explica (e desconstrói) os principais argumentos utilizados para não vacinar as crianças - vale a pena. – a verdade é que alguns destes argumentos até são muito “apelativos” daí que deixar ao critério das pessoas, se calhar, é uma má opção!)

2 comentários

Comentar post