Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Ter | 12.01.16

Dicas para ler mais.

CD

Alguns dos nossos amigos, assim que entram em nossa casa e esbarram com a nossa estante coberta pela cor das lombadas dos livros, perguntam: Vocês têm tempo para ler? Como?

Costumo responder, meio a brincar, meio a sério: Eu não perco tempo. E não perder tempo é meio caminho andado para conseguir fazer tudo o que quero e gosto, onde se inclui, obviamente, ler.

Bom, posto isto hoje trago 6 dicas para quem adora ler, quer ler mais mas insiste na teoria "não tenho vida para isto". Por vezes, é mais uma questão de organização do que de outra coisa. E, a sério, há tanta coisa boa para ler. 

 

1) Escolher livros que se adequem ao gosto e "nível" de cada um - nem todos gostamos do azul e na leitura é igual. Ler um género com que nos identifiquemos: há de tudo: desde romances a policiais, até ao erotismo e fantasia. Quanto ao "nível" de cada um, se não estão habituados a ler não avancem já para Charles Dickens ou algo do género. Comecem por autores mais fáceis;

 

2) Após o género escolhido e, para quem não tem o hábito de leitura, começar por livros pequenos. (eu mesma quando não me apetece ler - raramente acontece - pego num pequeno (para ler num instante) de forma a retomar o ritmo de leitura);

 

3) Criar um hábito: ler todos os dias à noite, ler todos os dias no autocarro, ler todos os dias ao pequeno-almoço. Criar rotinas ajuda a "apanhar o gosto";

 

4) Minimizar o tempo à frente da televisão - a televisão é um grande sugador de tempo. Quando damos por ela, já se passaram horas desde a altura que carregamos no ligar. Não digo para deixarem de, simplesmente, ver televisão. O que digo é para reduzir o tempo que se "perde" à frente desta caixa mágica. Vão ver que o tempo disponível para as actividades que mais gostamos de fazer, dispara!;

 

5) Estabelecer um limite mínimo de páginas por dia: por exemplo: dois capítulos;

 

6) Andar sempre com um livro atrás: há, sem dúvida, inúmeras vezes que, simplesmente, esperamos. Esperamos no médico, no dentista, por um amigo... esperamos. Actualmente, há o hábito de pegar no telemóvel, ver as redes sociais para cima e para baixo, jogar ou navegar nalgumas notícias. Mas, porque não aproveitar esse tempo para ler? Pode ser uma hora, meia hora ou apenas dez minutos.

 

Espero que, com estas dicas, a leitura passe a ocupar mais tempo na vida de quem, simplesmente, diz que não a consegue encaixar na sua vida.

 

Insensatez no Facebook -> aqui.

Dom | 10.01.16

Cacto.

CD

A minha tia, nos finais de Novembro, ofereceu-me um cacto com flor, num vasinho vermelho, com um pau decorativo em formato de árvore de Natal. Eu, pouco habituada a andanças de jardinagem e muito habituada ao controlo peremptório das coisas, perguntei-lhe fria e directamente o que teria que fazer, para que este cacto que, aparentemente não necessitava de água nem de cuidados extremos, não terminasse como acabam todos os bonsais e outras flores desta vida, quando dependem apenas das minhas mãos: muitas vezes murchas e, algumas vezes, mortas. Acabei por perceber que água sim, mas em reduzidas quantidades. Cheia de fé, no seu primeiro dia cá em casa, lá lhe entornei umas borrifadelas de água.

 

Foi, infelizmente, sol de pouca dura: os dias foram-se passando e nunca mais me lembrei do cacto, nem da pouca água que ele precisava para se manter vivo.

 

Hoje, enquanto encaixotávamos o nosso Natal, alguém trouxe o cacto, ainda florido e resplandecente, para o guardar – o pau decorativo em formato de árvore de Natal traiu o pobre cacto: foi confundido com uma decoração natalícia e, por um triz, não foi recambiado para as caixas que só abrimos uma vez por ano.

 

Rapidamente foi desfeito o engano, o cacto voltou para onde estava, com o pau decorativo em formato de árvore de Natal (pelos vistos deu sorte!), aberto, verde e florido como desde o primeiro dia. Ninguém sabe como é que ele se mantém intacto, vivo e vibrante, dada a pouca (ou nenhuma) água que recebe.

 

Só nos resta esperar não ter sido apenas o espírito natalício que o manteve vivo até hoje.

 

Insensatez no Facebook -> aqui.

Sex | 08.01.16

Wishlist - Livros - Update

CD

E por falar em listas...

Aqui está a tal lista dos livros que espero "um dia" conseguir ler.

Esta lista está sempre a ser mexida.

Ora vejam:

- A Cor do Hibisco - Chimamanda Ngozi Adichie

- Rosa Candida - Audur Ava Olafsdóttir

- Perguntem a Sarah Gross - João Pinto Coelho

- A História Secreta - Donna Tartt

- Um Quarto Só Para Si, Virginia Woolf

- A  Mulher Louca - Juan José Millás 

- A sangue frio – Truman Capote

- Um corpo na biblioteca - Agatha Cristie

- O Museu da Inocência - Orhan Pamuk

- A servidão Humana - William Somerset Maugham

- Lolita - Vladímir Nabókov

- A firma - John Grisham;

Três Tristes Tigres - Guillermo Cabrera Infante

- O pranto de lucifer - Rosa lobato faria

- Um estranho amor - Elena ferrante

- Os enamoramentos – Javier Marías

- O jogo do mundo - Rayuela - Julio Cortázar

- Robinson Crusoé - Daniel Defoe

- Liberdade - Jonathan Franzen

- Dentes Brancos – Zadie Smith

- O bicho da Seda - Robert Galbraith

- Michael Connelly

- Raymond Carver

- Patrick Mcgrath

- Javier Cercas

- Hélia Correia

 

Acrescentavam? Retiravam?

Qui | 07.01.16

Dizem os outros.

CD

"E, no meio de tudo isto, vogará sempre um sentimento de amargo de boca, porque o Escritor sabe que a todas as noites se segue o dia. E que o dia é do domínio das coisas cruas e das arestas cortadas."

Possidónio Cachapa - Viagem ao Coração dos Pássaros