Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

10.08.17

Lufada de ar fresco.

Catarina Duarte
Muitas das conversas que tenho, ao longo do dia, são um pouco complexas.   A verdade é que passo grande parte dos meus dias a decidir. Tomar decisões pode parecer uma ideia genericamente gira mas, na prática, desgasta bastante. Tenho a certeza que a necessidade tão grande que tenho em dormir advém do cansaço que adquiro ao longo do dia.   De vez enquando, acontece parar e dar por mim a ter conversas banais, onde não tenho que estar com muita atenção, onde ninguém exige uma (...)
07.08.17

Residencial Oliveira.

Catarina Duarte
A Residencial Oliveira, que se endireitava envelhecida nas ruas da Madragoa, chama-se agora River Hostel. Os azulejos da sua fachada continuam azuis, continuam antigos, continuam iguais: uns estão completos, outros, a maioria, estão partidos. Por cima da porta, ofusca um néon amarelo com o novo nome da Residencial Oliveira.   O Café Central, que se desenhava desprendido no declive de Alfama, chama-se agora Lisbon Lounge and Bar. Este manteve a mesma máquina de café, o mesmo (...)
01.08.17

A vida em palavras-chave.

Catarina Duarte
  Numa apresentação a que assisti recentemente referiu-se que uma grande parte do nosso mundo gira em torno das palavras-chave: as do alarme, a do telemóvel, do computador, do facebook, das mil contas de e-mails, das trezentas mil aplicações que temos e que achamos que já não conseguimos viver sem, as dos bancos, das finanças, da segurança social, dos sistemas empresariais, dos multibancos, aquelas que servem para confirmar transações, para confirmar registos, para fazer (...)
27.07.17

E sobre o Tinder?

Catarina Duarte
  Certa vez, uma amiga minha que vive nos States, disse-me que lá era normalíssimo a malta estar inscrita em sites do género dos do Tinder.   Na altura, lembro-me de ter comentado com o Ricardo que havia uma grande lacuna, a esse nível, no mercado português (sempre a pensar em negócios, eu sei). O nosso país, sendo um de brandos costumes, ainda teria que dar um grande passo ao nível da mentalidade para aceitar uma app do género.   A chegada do Tinder foi, porém, mais (...)