Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Seg | 28.05.18

As palavras que nos definem.

CD

Há pouco tempo descobri uma palavra espetacular e, depois de a descobrir, voltei a ouvi-la mais um par de vezes. A palavra é schadenfreude, uma palava alemã que visa definir o nosso sentimento de alegria perante o infortúnio de alguém.

 

Há, possivelmente, uma razão para saudade apenas existir em português. Aquela saudade preta, que nos vira ao contrário e que deixa a descoberto todas as nossas entranhas, amplamente enroladas sobre si mesmas. O preto da saudade, talvez colado ao fado, talvez colado à tristeza, define-nos, digo eu, como um povo quente. Ou, talvez seja mais acertado dizer, o povo quente que somos criou a palavra saudade para definir aquele sentimento insuportavelmente bom,  insuportavelmente doloroso, que nos caracteriza.

 

Provavelmente, por uma palavra ter muito peso, a sua criação apenas nasça da necessidade que determinada comunidade tem em exprimir-se.

 

Não deixo, por isso, de pensar porque é que a língua portuguesa tem saudade e a língua alemã tem schadenfreude.

 

Apesar de achar que schadenfreude até tinha lugar na nossa língua, não deixa de ser curioso.

1 comentário

Comentar post