Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Dom | 10.01.16

Cacto.

CD

A minha tia, nos finais de Novembro, ofereceu-me um cacto com flor, num vasinho vermelho, com um pau decorativo em formato de árvore de Natal. Eu, pouco habituada a andanças de jardinagem e muito habituada ao controlo peremptório das coisas, perguntei-lhe fria e directamente o que teria que fazer, para que este cacto que, aparentemente não necessitava de água nem de cuidados extremos, não terminasse como acabam todos os bonsais e outras flores desta vida, quando dependem apenas das minhas mãos: muitas vezes murchas e, algumas vezes, mortas. Acabei por perceber que água sim, mas em reduzidas quantidades. Cheia de fé, no seu primeiro dia cá em casa, lá lhe entornei umas borrifadelas de água.

 

Foi, infelizmente, sol de pouca dura: os dias foram-se passando e nunca mais me lembrei do cacto, nem da pouca água que ele precisava para se manter vivo.

 

Hoje, enquanto encaixotávamos o nosso Natal, alguém trouxe o cacto, ainda florido e resplandecente, para o guardar – o pau decorativo em formato de árvore de Natal traiu o pobre cacto: foi confundido com uma decoração natalícia e, por um triz, não foi recambiado para as caixas que só abrimos uma vez por ano.

 

Rapidamente foi desfeito o engano, o cacto voltou para onde estava, com o pau decorativo em formato de árvore de Natal (pelos vistos deu sorte!), aberto, verde e florido como desde o primeiro dia. Ninguém sabe como é que ele se mantém intacto, vivo e vibrante, dada a pouca (ou nenhuma) água que recebe.

 

Só nos resta esperar não ter sido apenas o espírito natalício que o manteve vivo até hoje.

 

Insensatez no Facebook -> aqui.

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.