Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Seg | 08.10.18

Cristiano Ronaldo – quando os nossos sentimentos nos toldam as opiniões.

CD

cristiano.jpg

 

Seria de esperar que qualquer acusação que caísse sobre o Cristiano Ronaldo fosse alvo de inúmeras defesas. Tal como seria de esperar que qualquer acusação sobre Trump fosse apenas mais um argumento para o atacar.

 

Nós camuflamos, de forma mais veemente, os factos e, pior, a gravidade dos mesmos, quanto mais gostamos das pessoas envolvidas. Há uma grande tendência para defendermos os nossos, para irmos à escola descompor o professor porque ralhou com o nosso filho mal-educado.

 

Mas, se entendo pouco os pais que vão à escola ralhar com os professores quando deviam era ralhar com os miúdos, menos ainda entendo quando estamos a falar de uma acusação de violação que, aparentemente, devia ser legalizada em Portugal, tantas são as pessoas que consideram que ela é que “se colocou a jeito” ou “se ela subiu ao quarto dele, estava à espera de quê?”.

 

Podia usar o mais reles palavreado para explicar o que muita gente parece não entender. Talvez seja esse mesmo o problema: o mais reles palavreado ainda não foi utilizado para explicar a triste cena que alegadamente se terá passado naquele quarto de hotel. Também não será aqui que o vão ler. Vou-me ficar pelo politicamente correto (eu sei, mais do mesmo): quando alguém entra no quarto com um homem não quer com isto dizer que queira fazer sexo anal, oral ou que queira, sequer, ter sexo. Até se pode dar o caso de uma pessoa ter tido, numa primeira fase, essa ideia e ter mudado de ideias, logo a seguir. Basta que diga que NÃO, para ser NÃO. NÃO É NÃO.

 

Claro que há mulheres aproveitadoras (tal como há homens) e, embora não me pareça que seja este o caso, isso é totalmente irrelevante para o caso em análise. Se a pessoa em causa é bem ou mal formada, se é loira ou morena, se é baixa ou alta, ou se pretende extorquir mais ou menos dinheiro, é totalmente irrelevante para o que se discute.

 

Aqui, neste momento, discute-se um caso de violação e não o carácter dos intervenientes. Independentemente das intenções dela, se, de facto, ficar provado que ocorreu uma violação naquela fatídica noite de 12 de Junho de 2009, então, Ronaldo deverá cumprir o seu castigo, seja ele qual for. E que seja exemplar. E que sirva de exemplo a todos.

 

Homens e Mulheres, metam isto na vossa cabeça e respeitem a vontade do próximo.

 

Fico genuinamente triste caso se confirmem estas acusações contra Cristiano Ronaldo. Já escrevi muito, neste blog, sobre o quanto o admiro como trabalhador exemplar. Esta situação não lhe retira, por isso, qualquer mérito desportivo como disse, e bem, o nosso Presidente Marcelo, mas retira-lhe, na minha opinião, toda e qualquer dignidade e respeito que por ele possa ter. 

5 comentários

Comentar post