Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Dom | 29.05.16

Crónica de uma Portuguesinha.

Catarina Duarte

portuguesinha.jpg

Não perco mundo por ter uma significativa percentagem em mim de portuguesinha.

Por muitas músicas que ouça, que ouço, por muitos géneros que adquira, que adquiro, nada supera o cantar sofrido de um fadista, a mágoa reflectida na repetição dos versos, a alma colocada em cada quadra. Sinto, em cada dedilhar da guitarra portuguesa, o choro pequenino dos meus avós e, por isso, sinto-me próxima das minhas raízes.

Gosto de ler frases que foram criadas na minha língua. Onde as metáforas me são familiares e, até de certa forma, cúmplices com a vida que escolhi viver. Gosto de sentir os arranjos, meditados e trabalhados, e a carga emotiva e inacabada dos grandes escritores portugueses. Gostos dos eufemismos que empregam quando querem aligeirar a coisa. E das hipérboles quando querem exagerar no tema. Identifico-me com o sofrimento latente nas letras cravadas nas folhas dos seus livros. Identifico-me.

Não há luz igual à nossa, à da minha Lisboa, nem cidade que contemple em si harmonias tão perfeitas de mundos tão diferentes: o bairrismo de Alfama e a cosmopolita Baixa-Chiado.

Não gosto do Halloween, não lido bem com importações de tradições embora reconheça que as tradições e as novidades podem coexistir, criando, se espaço houver, o seu próprio equilíbrio. Prefiro ver o Halloween sincero nos Estados Unidos do que a sua adaptação no meu país. Identidade. Gosto que haja identidade.

Forço-me a apreciar todas as culinárias locais dos sítios para onde viajo mas nada me faz brilhar tanto os olhos quando os mesmos pousam numa travessa de feijoada à transmontada. Não há alimento mais consolador do que uma sopa portuguesa. Não há melhor sobremesa do que leite-creme e arroz doce. Quentes. O leite-creme queimado na altura; o arroz doce com bastante canela.

Se isto faz de mim portuguesinha? Não sei. Podia passar o dia a relatar episódios, numa tentativa de justificar a minha vaidade quando ouço alguém falar a nossa língua redonda.

Podem-me tirar o cabrito, o bacalhau, o cozido, o peixe grelhado sem molhos nem apêndices. Podem-me tirar a melancolia do fado, a luz reflectida nos prédios da minha cidade, o leito do meu rio calmo e brilhante. Podem-me tirar os meus escritores preferidos que são quase todos portugueses.

Se isso acontecer, não me tiram tudo - mas tiram-me (mesmo) muita coisa.

 

Instagram www.instagram.com/catarinaduarte.words

Facebook https://www.facebook.com/catarinaduartewords