Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Qua | 14.02.18

Dia dos Namorados. Vamos lá!

CD

valentines-day-memes-street-art-utopia.jpg

 

Eu tenho um lado pouco dado a corações cor-de-rosa e mensagens de “amo-te muito até à eternidade” e, esse mesmo lado, transforma-me, todos os anos, na maior hater do dia dos namorados. É tudo de uma bimbalhice nunca antes vista – aliás – minto - foi vista, pela última vez, no 14 de fevereiro do ano anterior.

 

O meu lado mais sensato diz que é um desperdício de dinheiro pagar fortunas por um jantar que é, geralmente, de má qualidade e num presente com elevado grau de azeitice que, à primeira oportunidade, se esconde num qualquer armário refundido da nossa casa de férias.

 

O meu lado mais medroso diz que é suicídio sair de casa, nesta noite, para jantar, sob pena de sermos atropelados por uma avalanche de casais apaixonados. Na verdade, conheço formas mais incríveis de morrer.

 

valentines day.jpg

 

Mas, depois, o meu lado mais sonhador, diz que o que é preciso, neste mundo, para além de pipocas doces e praias de areia quente, são oportunidades para nos agarrarmos às pessoas que amamos, não interessa a forma que escolhemos: pirosa ou mais abrutalhada.

 

Na verdade, tanto faz o formato, e, se calhar, é mesmo boa ideia se substituirmos os corações berrantes por bons livros e um jantar-menú-especial-namorados por um jantar tranquilo em nossa casa. E, garanto-vos, é mesmo saudável e quente e acolhedor se abrirmos o melhor vinho da nossa garrafeira e servimos uma sopa XPTO que vimos num qualquer programa de televisão, porque, no final do dia, serve o propósito que se quer: ajuda-nos a continuar a entender que ainda somos namorados e que, contas feitas, o seremos sempre, pelo menos, enquanto este dia for festejado.

 

Feliz Dia dos Namorados, à vossa maneira - que é sempre a melhor!

2 comentários

Comentar post