Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Qui | 16.04.20

Estamos todos com saudades.

Catarina Duarte

Mesmo as futilidades conseguem ser acontecimentos profundos quando delas estamos privados.

Quando se lamentam, as pessoas que estão fechadas em casa, é apenas e só por terem saudades daquilo que preenchia os seus dias. E já não falo – claro que vou falar – das reuniões ou do trânsito ou de qualquer outro ritual aborrecido e que, agora, à distância dos dias que nos separam, nos parecem momentos hilariantes, autênticas férias nas Maldivas.

Falta-nos, a correr no sangue, a rotina dengosa da semana a girar, a felicidade que sempre vem com a chegada de uma sexta-feira que não seja parecida a uma quarta ou a um domingo. Os dias são agora repetições uns dos outros.

Ansiamos algo que nos remeta para a normalidade do que fomos e chegamos até ao ponto de agradecer tudo o que nos devolva a sensação de enfado, desilusão ou aborrecimento perante algo que nem gostávamos: uma fila no Serviço de Finanças, gente a empurrar num festival de Verão ou uma velhinha colada a nós quando pagamos as compras no supermercado.

Que regresse a normalidade. Estamos todos preparados para ela.

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.