Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Ter | 27.06.17

Eu pensava.

CD

eu pensava 2.JPG

 

Eu pensava que a rádio era da voz. Vemos a cara dos locutores, hoje em dia, e eles, bom, eles andam em autocarros enquanto fazem a emissão em direto.

 

Eu pensava que o fado era negro. Ontem ouvi a Raquel Tavares a senti-lo com um vestido amarelo canário (sim, amarelo canário é uma cor).

 

Eu pensava que os livros eram folhas presas a uma lombada, que eram o cheiro da impressão fresca ou, então, o cheiro a antigo e a saudade, pregado nas suas letras. Hoje, tenho um eReader e sou – minimamente – feliz com ele: não pesa, cabem lá muitas obras e dá para ler no escuro.

 

Eu pensava que a sopa era uma refeição saudável (no matter what) mas, entretanto, percebi que só é saudável se não tiver batata.

 

Eu pensava que as fotografias (que, na sua génese, não passam de representações mortas de momentos felizes) serviam para embelezar uma casa com o seu passado porém, hoje em dia, podem ser consideradas inestéticas numa casa que se quer fotografável e harmoniosa.

 

A minha alma velha de 32 anos, talvez baça, talvez resistente, mas, seguramente, tradicional, lá se vai moldando, lá vai aceitando estas alterações (ou estas evoluções, como gostam de lhes chamar), lá se vai resignando a todas - umas com mais facilidade, outras mais na defensiva - mas sempre, inicialmente, envolvida naquele sentimento entristecido, de sobrancelha levantada, com um certo ar de indignação (sem qualquer esforço para ser escondido), afinal, estão a mexer, a remexer mesmo, naquilo que gostava que continuasse a ser como sempre foi.

2 comentários

  • Imagem de perfil

    CD

    03.07.17

    Obrigada :)
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.