Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Ter | 06.11.18

Japão - Dicas e Experiências Obrigatórias.

CD

 

kyoto.JPG

 

 

Há muito tempo que o Japão fazia parte da lista de prioridades, no que às viagens diz respeito, do Ricardo. Não é que eu andasse a adiar a coisa, claro que não, mas andava mais virada para outros lados.

 

Então, lá chegou a altura e, com relativa pouca antecedência, comprámos as nossas viagens para aquela que seria umas das nossas melhores viagens.

 

Tenho a dizer que o Japão é mesmo um país de outro mundo apesar de, tecnicamente, pertencer a este. É um país ordeiro, organizado e os japoneses têm uma educação extremamente cuidada, que se nota na mais básica situação do dia-a-dia.

 

Fui escrevendo, ao longo da viagem, pequenos textos que ia partilhando no instagram, como este de que tanto gosto:

 

Hoje fui ao Starbucks tomar um café. Às tantas, numa das mesas ao nosso lado, estava um grupo relativamente grande para os padrões normais. Percebi que o tema era trabalho e que, à mesma mesa, se juntavam um par de americanos e um par de japoneses. Quando se levantaram, os japoneses, como habitualmente fazem, levantaram os seus copos, os seus pratos, passaram um guardanapo pela mesa e saíram. Um dos americanos deixou o seu copo em cima da mesa, a sua cadeira para trás, e seguiu caminho. Um dos japoneses do grupo, que tinha ficado para último, voltou para trás e levantou-lhe o copo (que colocou no lixo), empurrou a sua cadeira e limpou um pedaço de café que tinha caído na mesa. Se o grau de higiene, no Japão, é indescritível, também se pode dizer que o grau de respeito é imenso, isto porque, assim que o japonês se aproximou do americano esquecido, continuou a conversa interrompida, sem sequer referir que, no Japão, o costume é deixar tudo limpo antes de sair.”

 

Os japoneses respeitam os mais velhos mas também não se esquecem dos mais novos. É um país limpo, onde a higiene é levada mesmo a sério - quase que dá para andar descalço nas casas-de-banho mistas dos comboios (claro que ninguém vai fazer isso, é só para perceberem o grau de limpeza a que me refiro).

 

Mas são, também, um povo muito individualista e completamente virado para o trabalho. Andam sozinhos, mesmos nos cafés das cidades, e sempre agarrados à tecnologia. S-E-M-P-R-E.

 

Japan - Starbucks.JPG

 

“Gosto muito desta fotografia porque mostra um cenário muito comum por estas bandas: os japoneses sozinhos, agarrados à tecnologia. Na rua, não se ouve qualquer grito nem as conversas são tidas num tom mais alto. Raramente se ouvem gargalhadas. São muito cordiais, simpáticos e hospitaleiros. Mas não são, na maior parte do tempo, festivaleiros. São muito individualistas na forma como vivem a vida. Talvez isso seja uma das explicações para uma das mais baixas taxas de natalidade do Mundo”

 

Depois há todo um outro lado que contrasta com a pacatez dos seus dias: o lado dos jogos, do barulho ensurdecedor das salas de pachinko, da manga, anime e, claro, do karaoke.

 

Japan.JPG

 

jogos japão.JPG

 

Um país de extremos, sem dúvida. Um país muito focado no detalhe:

 

F82ADB4C-834F-401A-9942-0DA957D11CAC.JPG

 

 

 

Agora uma novidade: fora a viagem e os transportes, consegue-se ter uma vida relativamente barata no Japão. Sim, é verdade. Então se compararmos com os preços praticados com Lisboa, ficariam admirados com o preço das refeições, por exemplo.

 

Reuni duas dicas que considero fundamentais para quem pretende viajar até à Terra do Sol Nascente. São elas:

 

- O transporte é caro mas de excelente qualidade. O meio de transporte preferencial para nos deslocarmos é o comboio/metro. É importante, por isso, comprar o Japan Rail Pass – encomenda-se antes da viagem e entregam em casa. Este passe dá para comprar para 7, 14 e 21 dias e é destinado a turistas. Pode-se activar em qualquer altura da nossa viagem mas convém, antes de o comprar, construir o roteiro. Nós comprámos para 14 dias e activamos logo no primeiro.

 

Rede Comboio Japan.JPG

 

- A fluência em inglês, no Japão, é parca ou inexistente e, por isso mesmo, é obrigatório alugar-se um Wi-Fi portátil para conseguir aceder online a todas as informações, sem estramos dependentes da comunicação. Alugámos três dias antes da nossa partida (foi um bocadinho em cima, admito). Quando chegámos a Tokyo, fomos a um balcão, levantámos o Wi-Fi portátil e no, último dia, devolvemos. “Organização” – uma palavra que descreve muito bem este país.

 

 

Agora vamos falar de algumas experiências que considero obrigatórias (sendo que, claro, cada um ajusta ao que mais gosta de fazer):

 

- Dormir num Ryokan – Os Ryokans são tradicionais no japão e uma forma muito original de passar a noite. É difícil arranjar Ryokans nas grandes cidades (devido ao facto do preço do metro quadrado ser elevadíssimo) mas quando estiverem a desenhar a volta pelo Japão, tentem incluir, pelo menos uma noite, num hotel do género. Não se vão arrepender.

 

- Vestir um kimono – Pode parecer insignificante mas é uma experiência muito gira, afinal, as roupas e os trajes fazem ou não fazem parte da cultura de um povo?

 

Kimono.JPG

 

 

- Andar no comboio-bala (Shinkansen) – Não vão conseguir fugir a esta experiência se tiverem que movimentar dentro do Jaoão. É um comboio de alta velocidade e uma experiência diferente de tão calmo, rápido e limpo que é.

 

- Provar um gelado de chá verde – Há em todo o lado e, mesmo não sendo particularmente fã, faz parte do pacote.

 

- Experimentar o mais possível da gastronomia japonesa - Possivelmente, se se falar em gastronomia japonesa, só pensam em Sushi e, no limite, em Ramen. Mas – garanto-vos - é muito mais para além disso! O Japão tem, na sua ementa, as melhores carnes do mundo (claro que já ouviram falar dos bifes Kobe) e as espetadas mais deliciosas (como as Yakitori).

 

Ramen.jpg

 

- Ficar a dormir num hotel-cápsula – Nós, na verdade, ficámos numa espécie de hotel cápsula chamado Book and Bed (há em Kyoto - onde ficámos - mas também em Tokyo). É uma experiencia muito diferente.

 

Book and bed.JPG

 

 

- Assistir ao leilão de atum no mercado Tsukiji – Assistir ao leilão de atum no maior mercado grossista de peixe do mundo é uma experiência que recomendo mesmo muito. O mercado vai mudar de local, o que é uma pena. O Japão consome 25% do atum de todo o mundo. É, de facto, impressionante e uma experiência a não perder.

 

leilão de atum.JPG

 

 

A principal mensagem talvez seja termos consciência que vamos mesmo deixar muita coisa por ver/fazer. Mas, claro, isto não passa do argumento perfeito para voltar a este país maravilhoso.

 

Catarina.JPG

 

 Ainda vão sair mais dois textos sobre este país maravilhoso. Preparados?

 

32 comentários

Comentar post

Pág. 1/2