Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Qui | 14.01.16

Ninguém sabe o seu nome.

CD

Ninguém sabe o seu nome. Ele flui calmamente pelas ruas de Lisboa, tão incolor como o rio que lhe serve de vista, dia após dia.

Ninguém sabe o seu nome. E isso permite-me imaginar as vidas por detrás da dele.

Ninguém sabe o seu nome. Vejo-o sentado, manhã após manhã, numa arcada grandiosamente emoldurada ao pé da Praça do Comércio.

Ninguém sabe o seu nome. E, recostado na umbreira fria da porta, todos os dias, dia após dia, manhã após manhã, quando o vejo, lê o seu livro, inspirando calmamente o cheiro apaziguador do rio.

Ninguém sabe o seu nome. Ou, digo antes, pouca gente sabe o seu nome.

Mas muitas pessoas o conhecem pelo senhor sem-abrigo que carrega consigo sempre um livro e um saco verde tropa.

Sempre nutri simpatia por portadores incógnitos de literatura. O nome dele, tal como o de qualquer outro desconhecido que carrega o fardo de um livro, pouco (me) interessa. Pode ser Luís ou Fonseca, ou Sr. Fonseca, se quiserem. Pode ser Manuel ou Manel. Pode até ser José, Zé ou Zeca.

O senhor que vagueia pela primeira linha de Lisboa, com o Tejo a seus pés, não sei quem é, não sei o seu nome, ninguém sabe, ou alguns sabem. Não importa. Ele carrega livros consigo, sempre um aberto, sempre diferentes, que variam a cada dois dias e os outros no seu saco pesado, moldado à estrutura quadrada dos livros. Pode-se pensar que ele está sozinho e, se calhar, até está. Vive à sua mercê e à mercê das noites frias e húmidas desta cidade no inverno. Mas carrega sempre um livro. Ou vários. No seu saco verde.

Insensatez no Facebook -> aqui.

Comentar:

CorretorEmoji

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

Este blog tem comentários moderados.