Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

(in)sensatez

12
Mar18

O desconhecido (e incrível) mundo dos champôs.

CD

shampoo-1668525_1280.jpg

 

Há relativamente pouco tempo (acho que foi ontem), tentei ser mais erudita no que toca à temática champôs. Sou da opinião que as pessoas têm que aprofundar conhecimento, apanhar um tema de forma aleatória e desenvolvê-lo. Talvez não seja aconselhável um conhecimento tão aleatório como este que vos trago hoje, pois, esta missão, que tinha tudo para ser promissora, revelou-se apenas suicida. É que há, de facto, muitos e muitos champôs no mercado. E não acrescenta assim muito valor à nossa vida, saber a diferença entre eles. Ainda assim, fui em frente com o meu propósito.

 

Hoje trago-vos, então, os resultados deste meu estudo.

 

Bom, para além dos champôs básicos, aqueles que são destinados a cabelos secos, normais e gordurosos (talvez cabelos gordurosos não seja propriamente a expressão que esta malta dos marketings usa), há também os champôs com palavras muito caras como Cheveux ou Colorés ou Sensibilisés, o que torna difícil alguém com parcos conhecimentos ao nível do francês (eu!) perceber para que serve cada um.

 

Depois, há linhas completas para cada tipo de cabelo. Essas linhas incluem os tais champôs, os amaciadores, os leites, as máscaras, os séruns, os óleos, os reparadores, os, os, os… a lista é interminável, juro! As linhas são organizadas por cores que é para a malta não se confundir (espertos), assim só dificultam a vida aos daltónicos.

 

A conclusão foi que é impossível comprar um champô para uma pessoa com o cabelo (atentem ao que vou dizer) normal que, curiosamente, é mesmo o meu caso.

 

Bom, mas a minha análise aos champôs, não ficou por aqui. Feita parva, resolvi avançar e descobri que (não sei se estão preparados para esta revelação) há champôs para pontas secas e raízes gordurosas: o mesmo champô! O mesmo champô serve estes dois fins!!

 

Expliquem-me, malta esperta, como é que um champô, que não passa de um líquido viscoso que colocamos no nosso cocuruto, sabe, sem olhar, o que são pontas e o que são raízes? Como?

 

Disclaimer:

- Eu sei que marketings não está correto;

- Este texto contém alguma parvoíce;

- Eu sei – mesmo - que os champôs não têm olhos.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrevam a Newsletter (prometo que não se vão arrepender)

Carreguem aqui para subscrever:)

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinalduarte

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D