Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Seg | 04.06.18

Opinião: Assim Começa o Mal, de Javier Marías.

CD

assim começa o mal.JPG

 

Javier Marías é considerado um dos melhores escritores espanhóis contemporâneos e eu nunca tinha lido dele, vocês já?

 

O livro escolhido por mim para entrar no mundo de Marías foi um calhamaço de 532 páginas, chamado “Assim Começa o Mal”. O nome do livro é uma frase de Shakespeare, retirada de Hamlet, “Assim começa o mal e o pior fica para trás”, frase que nos vai surgindo ao longo do livro, porque é mesmo disso que ele, de forma sublime, fala.

 

Acho que tenho tendência para escolher livros um tanto ou quanto densos, daqueles que mexem aqui dentro. Muitas vezes, talvez para descansar a forma como a minha disposição se altera devido à densidade de um livro, obrigo-me a intercalar a leitura com outros mais suaves (ou, antes, que desconfio serem mais suaves) para me aliviar as inquietudes.

 

Claro que não foi o caso deste. Sabia que seria um bom livro, um livro denso, um livro que rói, porque já tinha ouvido maravilhas da sua escrita.

 

Começo por dizer que, à partida, a história é bastante simples. Conta a história de um cineasta, Eduardo Muriel, da sua família e, em especial, fala-nos da relação que mantém com a sua mulher, Beatriz Noguera. Tudo contado pela perspetiva do jovem De Vere que vive (e assiste e conclui e reage) com a família durante alguns anos.

 

Este livro fez-me questionar sobre qual o peso das mentiras ou, mais precisamente, qual o peso das ocultações numa relação mas, talvez, mais do que isso, fala-nos do peso delas quando são reveladas.

 

Fez-me pensar nas famílias e famílias e famílias e nos seus segredos, alguns que poderão abalar a sua estrutura, caso sejam descobertos, outros que, talvez não sendo tão graves, podem abaladas na mesma, se sobre eles tiver sido construída a relação.

 

Não é um livro de leitura fácil, engonha nalgumas alturas mas não cria episódios acessórios. A última parte do livro ganha velocidade e consegue agarrar-nos muito. As frases (pode ver algumas aqui), essas, são poderosas e valem a pena serem lidas.

 

Recomendo este livro a quem tem o hábito de leitura pois, apesar de prazerosa, não é muito simples, pelo turbilhão de pensamentos que lá caem.

 

Já leram alguma coisa deste escritor? Gostaram?