Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Seg | 16.04.18

Opinião: O Mecanismo.

CD

o_mecanismo.jpg

 

Já terminei de ver a primeira temporada da série “O Mecanismo” que visa retratar a operação Lava-Jato, das maiores investigações de corrupção e lavagem de dinheiro no Brasil, o esquema que uniu grandes empresas de construção a políticos, tudo bem mexido num grande emaranhado de crimes.

 

Entretanto, cercado de mediatismo, o ex-presidente Lula da Silva acabou mesmo por ser preso por ter ficado provado que o famoso triplex de luxo foi-lhe mesmo oferecido como suborno pela construtora OAS. Daqui saiu uma condenação de 12 anos de prisão.

 

Apesar de ainda haver uma (pelo menos) segunda temporada, tenho algumas considerações a fazer sobre aquela que é uma das melhores séries a que assisti nos últimos tempos.

 

Criada por José Padilha (Narcos, Tropa de Elite, entre outros), O Mecanismo consegue, com (julgo eu) algum grau de exatidão, retratar o nível de corrupção que existe no Brasil, não só em casos com bastante projeção como o Lava-Jato, como também na pequena corrupção, naquela que existe a um nível mais baixo, polvorizando o dia-a-dia.

 

Segundo o que a série transmite, a vida, no Brasil, como está montada, parece ter corrupção em muitos detalhes, e as pessoas agem e convivem com ela, com uma leviandade difícil de compreender. O esquema – ou o mecanismo – está criado. O que fazer para inverter o ciclo? É isso que fica a baloiçar.

 

Dá para perceber, minimamente, como é constituído o sistema judicial brasileiro e dá para concluir que é assustador de tão complexo que é.

 

Apesar de os nomes das personagens não serem os nomes das pessoas reais, é fácil (e óbvio) identificar as pessoas envolvidas (Sérgio Moro, Lula da Silva, Dilma Rousseff, Marcelo Odebrecht, entre outros). Fisicamente, os atores são muito parecidos e, quando não são, a caracterização dá bem conta do recado.

 

Aconselho a verem com legendas em português. Os diálogos, por vezes, são muito rápidos e com um sotaque muito cerrado o que pode ser difícil de acompanhar.

 

Dá-nos um bom enquadramento do que se passa atualmente, no Brasil.

 

Já viram? O que acharam?

3 comentários

Comentar post