Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Qua | 07.10.15

Opinião - Stoner de John Williams

CD

 

stoner.jpg

 

 

Sinopse: Romance publicado em 1965, caído no esquecimento. Tal como o seu autor, John Williams - também ele um obscuro professor americano, de uma obscura universidade.
Passados quase 50 anos, o mesmo amor à literatura que movia a personagem principal levou a que uma escritora, Anna Gavalda, traduzisse o livro perdido. Outras edições se seguiram, em vários países da Europa. E em 2013, quando os leitores da livraria britânica Waterstones foram chamados a eleger o melhor livro do ano, escolheram uma relíquia.
Julian Barnes, Ian McEwan, Bret Easton Ellis, entre muitos outros escritores, juntaram-se ao coro e resgataram a obra, repetindo por outras palavras a síntese do jornalista Bryan Appleyard: "É o melhor romance que ninguém leu". Porque é que um romance tão emocionalmente exigente renasce das cinzas e se torna num espontâneo sucesso comercial nas mais diferentes latitudes? A resposta está no livro. Na era da hiper comunicação, Stoner devolve-nos o sentido de intimidade, deixa-nos a sós com aquele homem tristonho, de vida apagada. Fechamos a porta, partilhamos com ele a devoção à literatura, revemo-nos nos seus fracassos; sabendo que todo o desapontamento e solidão são relativos - se tivermos um livro a que nos agarrar.

 

Opinião: Este livro é a prova que não são precisos grandes enredos, grandes tramas, para se fazer uma boa obra. A vida, como ela é, dá bem conta do recado.

Uma história que, basicamente, tinha tudo para ser enfadonha: a história de vida de um professor universitário: uma pessoa calada, virada para dentro, incapaz de tomar uma decisão a nível pessoal, que ama o seu trabalho acima de qualquer outra coisa.

Mas, assim que pousei o livro na mesa, depois de o terminar, suspirei um: whatttt?? Que poder de livro!

Uma história simples, muito angustiante, triste, mas que se lê num sopro. Personagens muito bem trabalhadas, diálogos muito bem conseguidos, ambientes carregados e definidos, cumprindo, na perfeição, o seu propósito.

Uma história de vida, como dizia uma amiga. E eu acrescento: completa!

Recomendo vivamente esta leitura. Um dos melhores livros que li este ano.

 

Rating: 5/5

2 comentários

Comentar post