Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Qui | 31.03.16

Primavera.

Catarina Duarte

Neste início de primavera, como sempre acontece nos inícios, sinto alastrar por este mundo fora uma vaga de esperança.

As pessoas gostam (e pelam-se, vamos lá assumir isto!) por inícios. Porque recomeçar é bom. Porque recomeçar é arrumar assuntos ou, então, organizá-los ou, talvez, assumir e deixá-los em banho-maria.

Recomeçar não é bom: recomeçar é tão bom! Dá-nos a ideia que temos uma cama acabada de fazer, lençóis esticados e puros: tudo branquinho, branquinho. Fornece-nos a ilusão que existe uma folha pronta a ser escrita e uma caneta nova pronta a ser usada. Recomeçar é acreditar que estamos a usar algo pela primeira vez.

Eu não gosto da primavera. Mas não sejam injustos comigo: partilho convosco a alergia dos recomeços. Mas, para mim, viver na primavera equivale a uma longa inspiração sustida até que chegue o verão. As minhas narinas não me deixam viver na primavera. A verdade é esta: a primavera, para mim, é uma constante luta pela sobrevivência. Em que eu nem sempre ganho.

Mas quando a primavera passar, quando der lugar ao verão que tanto quero, que tanto anseio há 7 meses, vou poder enfaixar a alegria do recomeço, aqui sim, vou partilhar da vossa alegria, vou fazer alarido, vou enfiar na minha vida motes de felicidade. Chegar ao verão também é considerado um recomeço, certo? Aqui sim, vão-me ver a espernear de felicidade porque, recomeço por recomeço, ao menos que o verdadeiro seja feito na praia.

 

Boa quinta-feira de sol! :)

 

Instagram @catarina_lduarte

Facebook https://www.facebook.com/catarinaduartewords

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.