Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

02
Mar18

Quando falamos de Arte, falamos de quem?

CD

art-3153106_1280.jpg

 

Passei muitos anos a achar que a Arte pertencia a quem a criava. Que ingénua que eu era! Hoje em dia, já não penso assim, claro.

 

Qualquer quadro, livro ou filme, só tem valor porque mexe com quem recebe esse quadro, livro ou filme. Só existe e só permanece porque, quem recebe esse quadro, livro ou filme, se identifica e, nalgum momento, encontra um elo de ligação que os liga a si mesmo.

 

Quando falamos de Arte, fazemo-lo sempre de forma lata e colocamos a importância em que a cria. Compreendo, porque, quem a cria, tem, de facto, muita importância no processo (especialmente, no processo de criação), mas estaremos mesmo a falar do criador quando falamos de Arte? Não me parece.

 

Ela só vale porque fala para nós e, especialmente, porque fala sobre nós. Ela só tem peso porque consegue criar pontes e estreitar laços. Ela só existe porque nós existimos.

 

Portanto, quando falamos de Arte, inevitavelmente, acabamos sempre por falar de todos nós.

 

Por isso, leiam livros, vejam filmes e frequentem exposições, experimentem fusões gastronómicas improváveis e vejam catedrais. Vão descobrir mais sobre vocês do que imaginam!

 

Qual a vossa opinião?

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrevam a Newsletter (prometo que não se vão arrepender)

Carreguem aqui para subscrever:)

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinalduarte

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D