Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Seg | 23.01.17

T.R.U.M.P.

Catarina Duarte

trump 1.jpg

Não digo que o conteúdo não me afecte (erradicar o terrorismo da terra é tão real como acabar com a fome no mundo).

O seu conteúdo, no geral, é manifestamente contraditório com aquilo que sou e, mais importante ainda, com aquilo que pretendo ser. Mas meu problema não é (só) esse.

O meu problema também não é tanto o lábio que pende, quando fala. Na verdade, seria bom que o meu problema fosse o lábio que pende, quando fala mas, depois, há o (falso) cabelo amarelo (que jura ser verdadeiro) e o lábio que pende, quando fala, perde importância.

O meu problema é mais a forma. A forma. A forma sobrepõe-se, infelizmente, a qualquer conteúdo – conteúdo, esse, que reveste contornos de agressividade. Mas a forma,essa, envolve-se em mim. A forma, no final, gera-me repulsa.

Há políticos cujas ideias não são as nossas. Há (inclusive) políticos com ideias (igualmente) perigosas para a sociedade que pretendemos ser. Mas, mesmo relativamente a esses, não manifestamos o ódio da forma como o fazemos com Trump. Isto acontece porque, essencialmente, depois há Trump. Onde toda a sua figura é composta por partículas grosseiras e presunçosas (a roçar o grutesco). Onde há também um lábio que pende, quando fala. E um (falso) cabelo amarelo (que jura ser verdadeiro).

A forma. Os homens medem-se (também) pela forma como interagem com os seus pares e nunca gostei de ver frieza e superficialidade com quem se dorme.

No fim, há Trump. Ao fundo do túnel, temos Trump.

O problema, o meu problema, é este: até consigo lidar com ideias duvidosas, com histórias perigosas, com análises distorcidas - mas acho difícil que consiga lidar com Trump.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.