Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

13.03.16

Pequenos verões no meio do nosso inverno.

CD
Isto de existirem pequenos verões no meio do nosso inverno não deixa de ter a sua piada. É açúcar. É rebuçado. É o doce que precisávamos para desenjoar de um almoço demorado. O mais certo é para a semana chover. Arrisco-me a dizer que, exactamente por isso, beliscam-se as vontades de estar na praia. A generalidade das pessoas que conheço são pessoas que gostam dos pés no quente da areia, são pessoas que mergulham forte no mar, são pessoas que, à primeira oportunidade, não (...)
27.01.16

Despeço-me sempre do meu avô com um "até amanhã".

CD
Despeço-me sempre do meu avô com um até amanhã.   Pelo seu avançar acelerado na idade (sim, eu sei, à mesma cadência com que eu avanço na minha), sinto os reflexos, as palavras, a articulação do seu ser a esgotarem-se. Ainda mantém a vivacidade, claro que sim: conduz, vai ali e acolá e mantém rotinas que não abdica - em especial, a compra do jornal, que folheia mais do que lê, mas que lhe é, essencialmente, uma companhia. Indispensável.   Despeço-me sempre do meu avô com um até amanhã
10.01.16

Cacto.

CD
A minha tia, nos finais de Novembro, ofereceu-me um cacto com flor, num vasinho vermelho, com um pau decorativo em formato de árvore de Natal. Eu, pouco habituada a andanças de jardinagem e muito habituada ao controlo peremptório das coisas, perguntei-lhe fria e directamente o que teria que fazer, para que este cacto que, aparentemente não necessitava de água nem de cuidados extremos, não terminasse como acabam todos os bonsais e outras flores desta vida, quando dependem apenas das (...)