Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

31.07.18

Opinião: Lost in Translation.

CD
 Por razões que, em breve, entenderão, ontem resolvemos ver o Lost in Translation, um filme de 2003, de Sofia Coppola, com o Scarlett Johansson e a Bill Murray. Já o tinha visto há 15 anos, quando estreou e eu era, na altura, tal como o filme, 15 anos mais nova e, lembro-me de ter gostado mesmo muito e pensei que esse gostar se ia manter para o resto da minha vida, não oscilando o quanto dele gostava, e que, cada vez que me perguntassem se tinha gostado, eu responderia que sim, que (...)
12.03.18

Opinião: Linha Fantasma.

CD
 Este fim-de-semana foi passado de forma muito cinematográfica. Vi dois filmes maravilhosos que ficarão, certamente, na minha memória. Começámos logo bem, com o maravilhoso “Linha Fantasma”, com Daniel Day-Lewis (que interpretação!), Lesley Manville (maravilhosa!) e Vicky Krieps (uma atriz luxemburguesa, com uma interpretação deslumbrante!). Há quem se questione: sobre o que é que é o filme? E há quem responda que é sobre a vida de um costureiro. Mas há, também, (...)
07.03.18

Opinião: Eu, Tonya.

CD
 Foi no passado fim-de-semana que vi o filme “Eu, Tonya”.(Spoiler Alert: este texto tem muita informação sobre o filme.) O filme conta a história de Tonya Harding, a polémica patinadora americana, que ficou conhecida pelo ataque à sua rival Nancy Kerrigan, com o objectivo de lhe partir as pernas, impedindo-a, deste modo, de competir. A Tonya vem de uma família problemática, o pai saiu de casa era ela ainda muito nova, ficando a viver com a mãe – não vos consigo explicar (...)
05.03.18

Sobre os Óscares.

CD
 Este ano, para os Óscares, eu só pedia uma coisa que, na verdade, são três (começaram por ser só duas mas, entretanto, introduzi mais uma): ver os filmes “Três Cartazes à Beira da Estrada”, o “Eu, Tonya” e o “Call Me By Your Name”.(Por que é que traduzi os dois primeiros nomes e não o último? Não sei... talvez porque gosto muito da musicalidade do nome em inglês ou, talvez ainda, por que me habituei a chamá-lo assim.) Só consegui cumprir 2/3 do que queria: (...)
07.02.18

Opinião: Três Cartazes à Beira da Estrada.

CD
 Iniciei, oficialmente, a viagem por entre os filmes nomeados para os Óscares deste ano. Porém, apercebi-me, logo no início desta aventura, que vai ser uma viagem curta. Não há muitos filmes que, à partida, tenham a ver comigo. Na verdade, só há dois que quero mesmo ver e um deles despachei-o já neste domingo gelado que passou. O filme “Três Cartazes à Beira da Estrada” tem, na minha perspectiva, muita coisa boa e algumas coisas menos boas: as boas chegam-me para (...)
17.01.18

Opinião: The Killing Fields (vamos falar de clássicos?)

CD
  Há uns tempos, no instagram, após ter visto dois filmes de guerra, filmes clássicos, questionei se fazia sentido escrever sobre eles. São tão, tão, tão antigos que, pela surpresa da opinião, julguei já não fazer sentido. Até fiz um daqueles questionários modernos, para avaliar a aceitação de um post sobre os ditos. Mas as pessoas disseram que sim, que valia imensooo a pena, que queriam imensoooo saber a minha (...)
28.11.17

Opinião - O Substituto.

CD
 Não é assim tão comum, eu gostar realmente de um filme. Quando digo gostar, refiro ao ponto de me sentir completamente repleta com as imagens e com as ideias do mesmo. Também não é raro, calma lá, que não sou nenhuma intelectual cinematográfica. O meu primo Francisco andava atrás de mim, desde há uns tempos para cá, para eu ver o filme "O Substituto" (sim, esse que é de 2011) até que, um belo dia, lá resolvi dedicar-me a ele. Se o trago aqui hoje é também para (...)
21.09.17

E foi-se. O Narcos.

CD
 Das poucas coisas que me preocupam na vida, está, com algum destaque, o final da série Narcos (sim, sou uma pessoa sem preocupações de maior). Vocês sabem, acho que sabem, que eu não sou a maior fã de séries: por um lado, o facto de terem episódios curtos seduz-me; mas, por outro, o facto de demorarem muito tempo exige uma concentração que não estou disposta a ter – especialmente, ao final do dia, altura que reservo para fazer… nada. Mas, bom, ocasionalmente, surge uma (...)
01.09.17

Namoro à espanhola.

CD
 Esta semana, a RTP passou um filme chamado “Namoro à espanhola”, muito bem traduzido do título original: Ocho apelidos vascos. Não sendo propriamente o filme mais surpreendente da história, não deixa de ser um filme que dispõe bem e, por isso, trago-o hoje para partilhar convosco. Conta, então, a história de um sevilhano que se apaixona por uma basca, após se terem conhecido (não da melhor maneira) numa noite em Sevilha. Todos nós conhecemos os estereótipos de um local (...)
09.07.17

Bons filmes - procuram-se!

CD
 Ontem vi o filme "The Accountant", com Ben Affleck. Vou-vos poupar a um texto sobre a minha opinião sobre o dito, não saberia - isto é certo - o que escrever. A minha tendência é sempre falar sobre filmes ou livros que gosto o que, bom, não foi, de todo, o caso. Tenho-me vindo a afastar do cinema, é cada vez mais raro ver um filme que goste verdadeiramente. Não sei se a idade me trouxe exigência, se já vi tanta coisa que agora só aprecio caso seja algo mesmo muito diferente. O (...)