Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(in)sensatez

20
Mar18

Há sempre alguém importante que não aparece nas fotografias.

CD

fotografia antiga.jpg

 

Pensei, durante o dia do pai de ontem, que isto das fotografias é muito giro mas, na generalidade dos casos, só é possível porque há alguém que fotografa.

 

Numa das fotografias que partilharam, ontem, nas redes, via-se um pai muito novo, de bigode, sentado num sofá de veludo laranja, muito anos 80, a segurar um bebé. A pessoa que partilhou a fotografia agradecia o pai extraordinário que tinha.

 

Esta fotografia, numa época em que as fotografias não eram tão imediatas como são hoje (ou nada imediatas mesmo), só aconteceu porque alguém reconheceu esta imagem como ato de amor.

 

Não se dá os devidos créditos a quem fotografava, numa altura em que as fotografias eram escassas, numa altura em que não havia aquela obsessão pela fotografia perfeita, numa altura em que o objetivo era apenas fotografar a simplicidade o amor. 

14
Fev18

Fotografia preferida.

CD

CD e RTL.jpg

 

Das férias, ou dos dias que vou tirando para descansar, tenho sempre uma fotografia preferida. E claro que estas, que ontem acabaram, não foram excepção.

 

Podia falar das cores do pôr-do-sol, da linha do horizonte corretamente fixada, das cores da nossa roupa que, não tendo sido escolhidas de propósito para a fotografia, caíram que nem ginjas, do facto de termos uma praia só para nós (o que, sendo Fevereiro, não é propriamente estranho) ou do seu cheiro, que vocês não sentem, mas que, possivelmente, conseguem imaginar.

 

Na verdade, há mesmo muita informação nesta fotografia que me agrada. Porém, nada se compara ao meu sorriso, reflexo deste colo imenso, dado pelo Ricardo.

 

❤︎

19
Jan18

Afinal, o que se passa nas outras casas?

CD

Janelas Angfra do Heroisimo.jpg

 (janelas de Angra do Heroísmo)

 

Há pessoas que se sentem fascinadas por roupa, outras por pesca. Eu, de entre todos os meus fascínios escondidos, sempre me senti fascinada por portas e janelas. Talvez porque elas representam o acesso a um mundo privado, aquele que ninguém conhece, mas que todos temos curiosidade em conhecer.

Afinal, o que se passa nas outras casas?

 

Janelas Evora.jpg

 (janelas de Évora)

 

Cruzei-me com este fotógrafo completamente por acaso e, com esta sua iniciativa, ainda mais por acaso.

Chama-se André Vicente Gonçalves e fotografa… janelas. Umas atrás das outras. Em Portugal e no Mundo.

 

A Sapo Viagens também escreveu sobre este projecto. Podem ler aqui.

Vale mesmo a pena conhecer. Vejam o seu site aqui e o seu instagram aqui.

15
Dez17

PhotoArk - onde os animais têm todos o mesmo tamanho.

CD

75579863-E929-4EE4-8149-11BF5B9CDD92.JPG

 

Outra exposição que fomos conhecer no Porto foi o PhotoArk, do fotógrafo Joel Sartore.

 

O PhotoArk pode parecer, à partida, um projecto muito simples mas encerra, em si, um grande desafio uma vez que pretende fotografar todas as espécies existentes. Uma espécie de prova documental dos animais que existem no mundo.

 

Para tal, elas são levadas para uma espécie de estúdio, com panos pretos ou brancos, com mais ou menos cuidados, consoante a espécie em causa.

 

É um projecto da National Geographic (por essa razão, se forem assinantes da revista revista National Geographic têm desconto nos bilhetes).

 

D00440F5-81B7-4E4C-AED8-73242BF3EAAE.JPG

 

Como complemento às fotografias, vão sendo dadas diversas informações, tais como, a que países estas espécies pertencem e a sua classificação de extinção.

 

Não há espécies melhores ou piores, superiores ou inferiores, são todas importantes e fundamentais para fazer o ecossistema funcionar e foi, essencialmente, isso que Joel Sartore pretendeu transmitir, fotografando os animais numa determinada perspectiva para que os mesmos ficassem todos do mesmo tamanho.

 

1D3A9180-FE73-4D76-AAD2-B5DDC0A07248.JPG

 

Apesar de pequena, eu recomendo imenso esta exposição pois, para além de as fotografias serem óptimas, dá-nos uma boa ideia das espécies que podem deixar, em breve, este mundo que tanto gostamos de estragar.

 

Deixa-nos, porém, uma mensagem esperança, dizendo que, apesar de tudo, nunca é demasiado tarde para mudar hábitos que tenhamos menos ecológicos.

 

6FF5737D-7645-4866-8598-AA22542A8111.JPG

 

Para mais informações podem ver aqui.

05
Dez17

O que acontece quando a nossa mente explode?

CD

 

Lu Nan 2.JPG

 

No sábado passado, fomos ao Museu Berardo, no Centro Cultural de Belém, ver a exposição do fotógrafo chinês Lu Nan.

 

Já tinha ouvido falar muito bem sobre esta exposição (por exemplo, aqui) e a vontade foi aumentando.

 

Esta exposição está dividida em 3 partes: a primeira retrata a vida nos hospitais de doenças mentais (de 1989 e 1990), a segunda mostra as comunidades católicas em zonas (muito) rurais e isoladas da China (de 1992 a 1996) e a terceira mostra vida quotidiana do Tibete (de 1996 a 2004).

 

Posso dizer (como partilhei aqui) que saí de lá com um nó no estomago.

 

Apesar de ter gostado muito das três partes, aquela que mais me marcou foi, sem dúvida, a primeira, a parte do hospital de doenças mentais, onde, muitas vezes, faltam recursos financeiros aos familiares, tendo estes, por consequência, que amarrar os doentes em casa, a uma cama ou a uma árvore.

 

As expressões, o ambiente, o pavor ou, simplesmente, o vazio no olhar, assusta-nos e remete-nos, imediatamente, para a nossa insignificância.

 

Será que estamos assim tão a salvo que as nossas capacidades não nos falhem? O que acontece se alguma coisa aqui dentro deixar de funcionar? Estamos assim tão distantes desta realidade?

 

Como disse aqui, esta exposição é de uma frontalidade e de uma dureza que não tem explicação. Escava tão fundo dentro de nós que, quando de lá saímos, sentimo-nos como se um camião nos tivesse passado por cima mas, por outro lado, prontos para relativizar tudo o que nos acontece na vida.

 

Vejam que vale bem a pena.

 

Lu Nan.JPG

 

Lu Nan. Trilogia, em exibição de 10/10/2017 - 14/01/2018 

Mais informações aqui.

20
Nov17

Steve McCurry - no Porto.

CD

The World of Steve Mccurry_755x470.jpg

 

Ia começar este texto dizendo que, quem segue fotografia com alguma atenção, sabe quem é Steve McCurry.

Mas depois, bom, depois lembrei-me que é impossível, alguém não ter visto, em algum momento da sua vida, a fotografia acima, que, em 1984, fez capa na revista National Geographic. A eterna menina afegã de olhos muito verdes que, na altura, tinha 10 anos.

Essa fotografia, lá está, foi tirada por Steve McCurry num campo de refugiados.

 

Pescadores en Weligama, Sri Lanka. Foto © Steve M

 

Eu sou fã do seu trabalho. As expressões, as cores, a composição: está tudo lá.

 

mw-1240.jpg

 

Steve_mccurry.jpg

 

Por isso, claro, fiquei muito feliz quando descobri que Steve McCurry tem uma exposição no Porto.

E, não sendo precisas muitas desculpas para visitar esta cidade, com este empurrão final, já estamos a combinar um fim-de-semana prolongado no Porto.

 

mw-1240 (1).jpg

 

Boa sugestão, não?

 

(informação horária e preços retirada do site https://www.noticiasmagazine.pt)

The World of Steve McCurry 
Alfândega do Porto
Até 31 de dezembro 
De segunda a sexta-feira das 10h00 às 18h00
Sábados, domingos e feriados das 10h00 às 19h00
Adultos: 11 euros
Crianças dos 4 aos 12 anos: 7 euros

Seniores e estudante: 9 euros

 

15
Nov17

Exposição de fotografia a escritores.

CD

Exposição.JPG

 

Um amigo ontem desejou-me um aniversário cheio de palavras e livros. Acertou.

Mas, às palavras e aos livros, acrescentei também fotografias aos meus escritores preferidos (e aos outros também).

Na Casa América Latina, em Lisboa, está uma exposição do fotógrafo argentino Daniel Mordzinski que se dedicou ao retrato de escritores.

 

Recomendo.

 

Aberta ao público de segunda à sexta-feira, das 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 18h30

Em exibição de 4 de outubro e 29 de dezembro

Gratuita

07
Nov17

Um olhar sobre as fotografias do João.

CD

IMG_5773 (1).jpg

 

João Farinha é um dos fotógrafos que mais gosto, já sigo o seu trabalho há bastante tempo, por isso, claro que, quando ele me convidou a escolher uma fotografia da sua autoria e a escrever sobre ela, fiquei bastante feliz mas sabia que o processo de escolha não ia ser nada fácil, porque as imagens que ele consegue captar têm mesmo a ver com a forma como eu vejo a fotografia. A sério, há tanto por onde escolher!

 

O João fotografa muito Lisboa, esta cidade inspiração, portanto sabia que, inevitavelmente, teria que escolher uma fotografia que falasse da minha cidade.

 

A escolha, então, recaiu sobre a fotografia acima e o texto que a acompanha está no blog do João. Espero que gostem!

 

Ah, já agora, sigam o João no Instagram. Tem um feed de fazer inveja.

 

Bom dia!

02
Nov17

While Away - Fotografia - uma sugestão.

CD

while away.jpg

 

Gostava de partilhar convosco esta exposição chamada While Away. É dedicada aos jovens portugueses que estiveram mais de um mês por este mundo fora.

Esta exposição está na Praça Luís de Camões, até dia 04/11.

Ontem estive lá e, a minha fotografia preferida, está na fotografia abaixo, qual matrioska fotográfica - mas não é por ser a fotografia da minha prima (digo eu de forma, altamente, imparcial):

 

while away 2.jpg

 

❤︎

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrevam a Newsletter (prometo que não se vão arrepender)

Carreguem aqui para subscrever:)

Sigam-me

Facebook

Instagram @catarinalduarte

Biografia

Sou autora do livro infantil “Maria Bolinhos – no Reino da Maravilhosa Doçaria Alentejana” e do blog insensatez.blogs.sapo.pt. Escritora compulsiva: a minha vida é absorver tudo aquilo que vejo e tudo o que ouço. Se estão comigo há um certo risco de se tornarem inspiração da minha próxima personagem :) mas, calma!, não fujam já! Dou Workshops de Escrita Criativa a crianças e a adultos - são boas horas que sempre voam embaladas pelo fluir frenético da escrita. Devoro arte, sou constantemente inspirada por ela, nas suas mais diversas formas: livros, pintura, música, cinema, fotografia. Mas, também, jardins, praias, arestas dos prédios recortados da minha Lisboa: inspiro a luz que escorre pelas suas paredes, expiro um texto completo de incertezas. Não passo sem café, sem livros, sem as minhas viagens mas, especialmente, sem o ar livre da minha cidade, a minha maior inspiração. Tenho 32 anos, vivo em Lisboa com o meu marido e com as minhas palavras preferidas.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D