Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

05.12.18

Frio.

Catarina Duarte
Chega esta altura do ano e começo a ser invadida por aquela vontade incontrolável de me afundar num país quente: passar o ano em Moçambique, mergulhar em São Tomé ou dar um pulo até ao Brasil. Invejo-lhes sempre os pés quentes.   Tenho memórias muito felizes de todas as viagens que faço mas recordo com especial ternura aquele último dia do ano em que pisei o mar de Moçambique, quando descalcei as meias e os ténis que trazia de Lisboa, com o seu frio ainda entranhado nas suas (...)
13.08.18

Trabalhar em Agosto. Em Lisboa.

Catarina Duarte
Tirando as escapadinhas de fim-de-semana que, normalmente, são maiores do que os dois dias dignos deste nome, temos passado, neste Agosto bipolar, muito tempo em Lisboa, pois estamos ambos a trabalhar. Acontece muitas vezes: sendo possível, preferimos trabalhar no início de Agosto e ir, mais tarde, de férias.   E há tantas coisas boas nesta opção! Como, por exemplo, haver imenso estacionamento na rua (...)
25.07.18

Um bonito dia de Novembro, em Julho.

Catarina Duarte
 (Imagem retirada do pixabay)   Faz todo o sentido isto de continuarmos a maltratar o meio ambiente: temos mesmo que continuar a andar de carro para todo o lado, nesta relação umbilical e doentia que mantemos com este meio de transporte, a menosprezar a reciclagem como ninguém, a achar que misturam tudo lá nos depósitos onde destroem o lixo, como se estes pensamentos nos tirassem todo o peso da consciência pela falta de paciência (...)
24.07.18

“Não estás com frio?” – Perguntam todas as mães do mundo.

Catarina Duarte
Julgo que há comportamentos que são transversais a todas as mães. Normalmente, são comportamentos que maldizemos quando somos filhos e que, possivelmente, iremos repetir, exactamente como víamos fazer, quando formos pais. Aceitem isto.   A minha mãe, sempre que eu estou com uma voz mais fraca, porque acabei de acordei ou porque estou a trabalhar, pergunta-me se se passa alguma coisa. Durante anos, isso enervava-me (afinal, eu estava a limitar-me a existir), até que, há (...)
23.07.18

Liberdade que destrói liberdade.

Catarina Duarte
 Imagem retirada do Pixabay   Infelizmente, sou uma pessoa muito pouco tolerante à falta de noção das outras pessoas. Juro-vos que tenho genuína pena que assim o seja porque acho que podia ser um bocadinho mais feliz.   As liberdades que afetam uns e que afetam outros, são mais do que muitas. E, hoje em dia, nem é preciso esforçarmos muito a nossa sensível vista para as detetarmos. Estão mesmo à mão de semear.   Não me (...)
21.04.17

Quatro tipos de fotografias que se repetem nas redes sociais, ano após ano, assim que o calor aperta.

Catarina Duarte
Se são como eu e gostam de analisar padrões de comportamento, vão gostar de saber que decidi reunir os 4 tipos de fotografias que se repetem nas redes sociais, ano após ano, assim que o calor aperta e, para as quais, vamos assumir, já não há paciência:   Fotografias de pés, com unhas impecavelmente pintadas, na água do mar – Sou bastante sensível a este ponto: não nutro especial simpatia por pés;   Fotografias de termómetros com temperaturas elevadas – (...)