Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Dom | 27.05.18

This is America – uma música e um vídeo com muitas mensagens para interpretar.

CD

 

A nova música de Childish Gambino, que apetece ouvir vezes sem conta, pelo seu ritmo e pelas suas rápidas passagens, tem uma série de mensagens subliminares sobre o racismo nos EUA. Quando vemos o vídeo que lhe dá corpo ainda nos apetece esmiuçar mais a letra e as imagens em busca de mais significados. Esta música fala-nos de discriminação racial e da forma como a sociedade americana está construída: num primeiro plano, tudo acontece para nos entreter; no plano lá atrás, muita coisa suja e lamentável sucede.

 

Depois de muito ler sobre o assunto e também depois de muito observar o vídeo, reuni algumas mensagens que a música pretende transmitir.

 

- O vídeo passa-se todo dentro de um armazém e a sua primeira imagem é a de um homem negro a tocar na sua guitarra de forma tranquila. Enquanto isto, Childish Gambino aparece e começa a dançar, utilizando, para isso, expressões faciais e físicas bastantes estranhas e forçadas. A dada altura, solta uma careta com um olho demasiado aberto, cujo objectivo é ligar-se à personagem Tio Ruckus, da série The Boondocks, um homem negro que não gostava de negros e que dizia ser branco;

 

Tio Ruckus.jpg

 

- Depois desta dança, Childish Gambino avança para junto do homem negro que anteriormente tocava guitarra e que agora está com um capuz branco na cabeça e, após fazer uma posição teatral, dispara uma arma, matando-o. A posição teatral remete-nos para a personagem Jim Crow, interpretada por Thomas D. Rice. Esta personagem era pintada de preto e tinha como objectivo ridicularizar a cultura negra. Jim Crow deu o nome a leis de descriminação raciais nos EUA. Após este homicídio, alguém retira a arma do crime de forma delicada, embrulhando-a num pano encarnado. Este acto, que se repete ao longo do vídeo, ajuda-nos a materializar como é que as armas são tratadas nos EUA. Este tratamento contrasta com a forma como o corpo, depois de baleado, é arrastado pelo chão do armazém;

 

jim crow.jpg

 

- A seguir, vemos um coro de gospel a cantar de forma alegre. Segundos depois, Gambino pega numa arma e dispara, matando-os a todos. Esta cena é uma clara referência ao ataque à igreja de Charleston, na Carolina do Sul, quando a Dylann Storm Roof lá entrou, em 2015, e matou 9 pessoas. A igreja era conhecida por lutar pelos direitos civis. É interessante o contraste entre a música do coro e os tiros disparados logo a seguir;

 

- A dada altura, surge um homem tapado de negro montando num cavalo branco numa associação clara à morte e ao inferno e à sua referência ao livro do Apocalipse;

 

- A última cena mostra-nos o cantor a correr, com olhar assustado, ao ser perseguido por um grupo de brancos. A mensagem a transmitir será, eventualmente, que no grupo onde ele sempre julgou pertencer, ele não vai nunca, na verdade, passar de um negro;

 

- O engraçado deste vídeo é que tudo de importante acontece lá atrás (assaltos, explosões, suicídios e muita confusão), num plano secundário, enquanto que o cantor, se mexe e canta, com o objetivo de nos entreter, tal como, na realidade, acontece. De um lado, temos a América dos shows, dos filmes e do glamour e, do outro lado, aparece-nos uma América negra e proibida, camuflada pelas luzes dos holofotes.

 

Uma música e o vídeo com muito simbolismo que vale a pena ver mais do que uma vez.

 

Já conheciam? O que acrescentam?

1 comentário

Comentar post