Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

(in)sensatez

por Catarina Duarte

(in)sensatez

por Catarina Duarte

Ter | 07.08.18

Uma questão de fé.

CD

igreja.JPG

 

Ocasionalmente, surge uma moda que visa assaltar costumes. Não se limita, porém, a discordar dos mesmos, ousa mesmo desrespeitá-los.

 

Não sou das que considera que os costumes são intocáveis e, no que à religião diz respeito, julgo mesmo que tudo se resume a uma questão de fé. “Acreditas? Tudo bem. Não acreditas? Está tudo bem na mesma.” A nossa fé, ou ausência dela, não nos torna, propriamente, pessoas especiais. Sinto, porém, que existe uma certa aura de grandiosa superioridade em quem, de facto, não acredita em nada, como se, ao não acreditar, se estivessem a colocar no patamar dos mais iluminados (o que não deixa de ser irónico, dado que falamos de religião). Falo mesmo de um degrau que não está disponível a todos. Olha, talvez nem seja um degrau mas mais uma espécie de altar (outra vez!), deixando de fora, claro, todos aqueles que se agarram a uma religião.

 

Portugal é um Estado Laico, isso é do conhecimento de todos, sendo que, julgo que também será do conhecimento de todos, a grande maioria da população portuguesa é católica, ou seja, há um histórico muito, muito enraizado, de ligação a essa igreja.

 

Sinto que alguma parte da nova geração, os jovens de hoje em dia, por diversos motivos, se tornaram descrentes na Igreja Católica. Até aqui, tudo bem. Não considero que, a ligação a algo que nos surge pela veia da tradição, seja fundamento mais do que suficiente para ali ficarmos presos para o resto da vida.

 

Porém, há mesmo uma linha que separa o “não acreditar e respeitar” e o “não acreditar, não respeitar e a achincalhar quem acredita”, só porque se é mais concreto na aquisição das crenças e só se acredita no que, de facto, é palpável ou que a ciência pode, de algum modo, provar.

 

Cada macaco no seu ganho: à ciência o que é da ciência; à religião o que é da religião. Até porque ambas – ciência e religião - têm peso e importância no suporte de uma sociedade.

 

Esta é a minha opinião. Qual é a vossa?

 

6 comentários

Comentar post